Foto: Valquir Aureliano

Henrique volta à zaga após cumprir suspensão automática.

É hoje! Depois do vacilo contra o Avaí e do, quase, contra a Portuguesa, uma simples vitória e o Coritiba será campeão da Segundona e poderá coroar a volta à primeira divisão em grande estilo. Por isso, a empolgação da torcida é mais do que natural e o Couto Pereira vai estar completamente lotado. Já os jogadores tentam manter os pés-no-chão para vencer o Marília e acabar com ansiedade de garantir logo o caneco. Para tanto, Henrique e Ânderson Lima estão de volta junto com Hugo que formará o ataque da ?decisão? da Série B. O confronto contra os paulistas está programado para as 20h30.

?Temos a oportunidade de fechar o ano com chave de ouro e esperamos não deixar esse momento passar, ainda mais frente ao nosso torcedor. Lógico, respeitando a equipe do Marília, mas dentro de casa temos que fazer prevalecer o fator campo?, diz o goleiro Edson Bastos, o paredão do Alto da Glória. Para ele, vai ser obrigatório manter a calma para não deixar escapar a chance de comemorar junto com a torcida. ?Temos que ter tranquilidade até porque restam duas partidas, mas esperamos fazer um bom jogo e o resultado vai ser consequência?, projeta o arqueiro.

Ele tem razão. Com cinco pontos de vantagem, o Alviverde precisa de dois empates ou uma vitória para ser campeão. Isso se o Ipatinga ganhar as duas que restam. Se os mineiros não ganharem, o título fica com o Coxa mesmo com derrotas para Marília e Santa Cruz ou até um empate nesses dois jogos, mas a comemoração não poderia ser hoje e a torcida teria que esperar o Tigre mineiro entrar em campo amanhã. Como o título está mais do que maduro, a vitória sacramenta a ascensão e a galera poderá festejar na Praça do Homem Nu e na Avenida Batel.

Se a torcida quer festejar, os jogadores não ficam por menos. ?É o último jogo em casa neste campeonato e lógico que a torcida vai querer comparecer para poder ajudar a equipe?, aponta o volante Veiga. Isso não quer dizer que alguém esteja desrespeitando o MAC. ?A gente sabe que é um jogo difícil, mas vamos procurar fazer o melhor para ir em busca da vitória. Todos estão com foco e acho que vamos conseguir um resultado positivo?, prevê o atacante Keirrison.

E para este jogo decisivo, o técnico René Simões promove a volta do zagueiro Henrique e do líbero Ânderson Lima, depois da suspensão. A meia-cancha continua a mesma e, no ataque, Hugo entra na vaga de Gustavo, que tomou o terceiro cartão amarelo. Já o volante Veiga não tem condição de atuar os 90 minutos e fica como opção no banco. No trabalho de ontem, Pedro Ken e Ricardinho foram poupados devido a dores musculares, mas têm presença garantida.

CAMPEONATO BRASILEIRO – SÉRIE B

37.ª Rodada

Coritiba x Marília

Coritiba

Edson Bastos; Henrique, Ânderson Lima e Jéci; Túlio, Douglas Silva, Pedro Ken, Ricardinho e Fabinho; Keirrison e Hugo.

Técnico: René Simões.

Marília

Vizoto; Claudemir, Montoya, Fábio Recife e Vicente; Deda, Hernani, Camilo e Diego; Wellington Silva e Wellington Amorim.

Técnico: Jorge Rauli.

Local: Couto Pereira, em Curitiba

Horário: 20h30

Árbitro: Edílson Ramos da Mata (MT)

Assistentes: José Antônio Chaves Franco F.º (RS) e Júlio César Rodrigues Santos (RS)

Ingressos: arquibancada, R$ 20,00; cadeira da Mauá e setor visitante, R$ 30,00 e social superior, R$ 100,00. Estudantes, idosos, crianças e mulheres pagam meia.

?Mais vale a caminhada que o título?

Hoje tem tudo para ser mais um 16 de novembro especial na vida do técnico René Simões. ?A CBF pode ter me dado o melhor prêmio que eu poderia receber aqui no Coritiba. Esse jogo iria ser no dia 17 de novembro, mas vai ser no dia 16 de novembro de 2007. Em 16 de novembro de 1997 aconteceu o jogo Jamaica e México lá em Kingston e nós nos classificamos para a Copa da França. No mesmo dia, eles nos deram a oportunidade de celebrar um título?, relembra. Mas, mais do que o título, o treinador quer comemorar a trajetória. ?Um título você coloca no currículo e alguém vai lembrar, mas eu gosto muito da caminhada, que foi muito bonita aqui?, destaca. Para ele, depois de tudo o que aconteceu no ano, nada mais justo do que conquistar o caneco. ?Existe uma palavra em inglês chamada resilience e não sei se existe em português, mas ela junta todas essas capacidades que você tem de enfrentar dificuldades. É o bambu verde, que enverga, mas não quebra?, compara. Entre as dificuldades, até o ?fogo amigo? das  disputas internas do clube, comissão técnica e jogadores tiveram que aguentar. ?Suportamos muitas coisas aqui, levamos muitas pedradas, muitas flechadas, mas tivemos tranqüilidade, soubemos nos unir e chegar aonde chegamos. Para mim, o que vai ficar de bonito é a caminhada, não o título. Mas não aconteceu ainda e para fazer acontecer tem que trabalhar muito?, finaliza.