Foto: Valquir Aureliano

Zagueiro teve uma séria torção de tornozelo, mas está bem e escalado contra o Vitória.

Dois meses depois da estréia, o zagueiro Jéci praticamente recomeça sua passagem pelo Coritiba. Mesmo tendo ficado na reserva contra a Ponte Preta, só agora ele ganha a oportunidade de começar uma partida como titular e não esconde a alegria. Não é para menos. Após estrear contra o Ituano, no dia 26 de maio, ele se machucou e teve que superar uma séria torção no tornozelo. ?No final da partida, o jogador deles caiu em cima da minha perna e só tenho a agradecer porque poderia ser pior. Acabei lesionando os ligamentos da parte interna e externa e por isso a demora?, relembra.

Segundo ele, a ruptura foi de grau 2 e a recuperação foi muito delicada. ?Foi uma lesão complicada, como todas elas, mas fiz um trabalho muito forte, intensivo, inclusive aos domingos vindo tratar aqui (no CT da Graciosa) e agora chegou a recompensa?, comemora. Quem viu o local alguns dias depois diz que o tornozelo direito dobrou de tamanho de tanto inchaço. ?Agora estou de volta, junto com o grupo novamente, e para mim é uma satisfação muito grande ser uma opção para o professor (René Simões) e tenho certeza que vou dar o máximo para manter a regularidade da equipe?, promete.

Apesar da empolgação, ele passou por maus bocados durante a recuperação e teve que contar com o apoio do pessoal da comissão técnica. ?O pessoal aqui deu essa força e deu apoio até na parte psicológica, sempre incentivando e sabendo que eu poderia me recuperar e foi o que aconteceu?, revela. Garantido contra o Vitória devido ao terceiro cartão amarelo de Henrique, o zagueiro quer agora manter o pique da equipe. ?Venho trabalhando forte, para estar pronto na hora que aparecesse a oportunidade. Foi o que aconteceu e estou pronto para ajudar essa equipe que está num crescente?, analisa.

Além dele, o time terá a volta do volante Careca e do atacante Gustavo, que cumpriram suspensão automática. Como os meias Pedro Ken e Caíco também não podem jogar devido a cartão, o treinador começou a esboçar ontem a equipe para o confronto contra os baianos. A tendência é que Rodrigo Mancha permaneça junto com o esquema 4-4-2 usado no segundo tempo contra a Macaca e Diogo e Henrique Dias disputem um lugar entre os 11. Assim, o time ficaria com Edson Bastos; Anderson Lima, Jéci, Leandro e Douglas Silva; Rodrigo Mancha, Careca, Túlio e Marlos; Henrique Dias (Diogo) e Gustavo.

René emocionado com ouro feminino

O técnico René Simões, do Coritiba, comemorou a conquista do ouro das meninas do futebol no Pan do Rio de Janeiro como se fosse dele mesmo. ?Assisti à partida com muito orgulho, alguns detalhes ali me deixaram muito feliz porque eu vi como nasceu esse time, que era exatamente o time da Olimpíada, a composição da equipe foi a mesma e, no intervalo, elas saíram correndo, que foi uma coisa que nós criamos porque você tem apenas dez minutos e as mulheres têm mais algumas coisas a fazer no vestiário e demoram um pouquinho mais?, analisou.

Ele espera que essa evolução ajude o esporte no País. ?Pelo bem dessas meninas, que são desbravadoras, e pelo bem de tantas meninas por esse Brasil afora que querem jogar futebol. A gente tem que acabar com esse preconceito?, pediu.

Para René, o porta-voz dessa mudança poderia ser Galvão Bueno, da Rede Globo, que pediu a profissionalização do futebol feminino no Brasil durante a transmissão da final. ?As palavras têm um poder, mas as ações têm um poder bem maior e gostaria que o Galvão fizesse o que ele disse porque ele tem um canhão nas mãos?, finalizou o treinador do Alviverde.