Fazia tempo que o Corinthians não jogava bem, com segurança e força de vontade, como ontem, na vitória sobre o Atlético-MG por 3 a 2, em pleno Mineirão. O resultado alivia um pouco a situação do técnico Geninho, que, no entanto, continua ameaçado, e mantém vivo o sonho do time de disputar o título, pois ainda faltam 21 rodadas. A equipe alcançou 36 pontos no campeonato brasileiro e está a 12 dos líderes Cruzeiro e Santos.

Os astros corintianos vinham sendo ameaçados por Geninho, por causa das fracas atuações nas últimas semanas. Liédson, Kléber e Gil, se não melhorassem, poderiam ir para o banco, avisou o treinador. Voltaram, porém, a brilhar em Belo Horizonte. Kléber nem tanto, mas Gil fez um gol e Liédson foi o melhor da partida. Sofreu pênalti, deu passe para gol, levou perigo nas jogadas aéreas e se movimentou bastante. “Não adianta a gente retrucar os boatos com palavras, tínhamos de mostrar em campo e conseguimos”, desabafou Kléber, referindo-se à acusação de alguns torcedores de que atletas estariam exagerando nas noitadas.

A chave da vitória foi o bom desempenho do ataque, que ressuscitou no brasileiro. Nas 10 rodadas anteriores da competição, o time não foi capaz de fazer mais de um gol por jogo. “Nós precisávamos jogar bem, estávamos chateados com as críticas, mas não nos abatemos”, afirmou Gil, que recebeu o terceiro cartão amarelo e não enfrenta o Paysandu, no domingo, no Pará.

O Corinthians não vencia fora de casa havia mais de três meses. O último triunfo tinha sido em 4 de maio, diante do Fortaleza, na capital cearense. Ontem, sofreu pressão em boa parte da segunda etapa, principalmente depois da expulsão de Marquinhos, mas mereceu os 3 pontos. “Nossas perspectivas são boas”, declarou Geninho, lembrando que os recém-contratados começam a reforçar o time. André Luiz estreou, mas ainda mostrou falta de ritmo de jogo.

O início foi preocupante, pois os mineiros partiram sem dó para o ataque. Kim teve ótima oportunidade para abrir o placar, mas o goleiro Rubinho salvou. O Corinthians começou, contudo, a equilibrar o confronto e, em cobrança de pênalti de Rogério, fez 1 a 0. O Atlético chegou ao empate, com Michel, mas antes do intervalo, Gil marcou 2 a 1.

Ficava a impressão, pelos primeiros minutos da segunda etapa, de que a sorte abandonaria, mais uma vez, a equipe de Parque São Jorge – na quarta-feira, chutou quatro vezes a bola na trave e acabou perdendo para o Figueirense. Num lance pouco comum, os atleticanos igualaram o marcador. Tucho cobrou falta, a bola bateu na trave, na cabeça de Rubinho e entrou. Em seguida Marquinhos foi expulso e a situação parecia se complicar.

O Corinthians, no entanto, não desanimou, marcou o 3.º gol, com Robert, em belo chute de fora da área – seu primeiro com a camisa alvinegra – e segurou com determinação, e graças às boas defesas de Rubinho, a vantagem até o fim.

Atlético-MG 2×3 Corinthians

Gols: Rogério (pênalti) aos 23, Michel aos 41 e Gil aos 43 minutos do primeiro tempo; Tucho aos 2 e Robert aos 10 do segundo.

Atlético-MG: Velloso; Alex, Luiz Alberto, André Luiz e Michel; Ferrugem (Paulinho), Marcelo Silva, Alexandre (Fábio Júnior) e Tucho (Juninho); Kim e Guilherme. Técnico – Marcelo Oliveira.

Corinthians: Rubinho; Rogério, Anderson, Marquinhos e Kleber; Fabinho, Fabrício, André Luiz (Renato) e Robert (César); Liédson e Gil. Técnico – Geninho.