O Corinthians deu início no último sábado a um leilão para renovar o contrato de patrocínio de camisa. A diretoria conversa com empresas interessadas em ocupar o espaço mais nobre do uniforme mesmo tendo contrato com a Hypermarcas.

O alvo da vez é a Hyundai, montadora sul-coreana que está expandindo seus negócios no Brasil. No último sábado, Seong-Bae Kim, presidente da Hyundai no Brasil, esteve no Pacaembu assistindo à partida entre Corinthians e Botafogo pelo Campeonato Paulista.

Chamou a atenção o fato de Seong-Bae Kim segurar uma camisa oficial do clube com o logotipo da Hyundai.

A diretoria do Corinthians diz que foi uma maneira gentil de presentear o executivo.

Nos bastidores, porém, houve uma conversa amistosa sobre o possível interesse da montadora em investir no futebol brasileiro.

Dirigentes do clube afirmam que a Hyundai pensa em seguir o caminho da também sul-coreana, a Kia, nova patrocinadora do Palmeiras. Oficialmente ninguém fala sobre o assunto. O Corinthians afirma que a prioridade de renovação é da Hypermarcas, porque ela tem contrato até o final de abril. Até lá vai decidir se continua ou não patrocinando o clube.

A Hyundai, por meio de sua assessoria, disse à Agência Estado que não há nenhuma negociação com o Corinthians em curso, mas confirma que Seong-Bae Kim esteve no Pacaembu e recebeu uma camisa do clube.

A estratégia armada pela diretoria do Corinthians é ouvir propostas de outras empresas para, em abril, confrontá-las com a da Hypermarcas. O contrato atual rende ao clube R$ 37 milhões por ano. A meta, segundo dirigentes, é obter um bom reajuste. Luis Paulo Rosenberg, vice-presidente, sonha conseguir R$ 50 milhões anuais com o patrocínio master. Mas outros dirigentes garantem que se houver uma proposta concreta de R$ 40 milhões o negócio estará fechado.