Três tropeços seguidos têm feito estrago nos grandes clubes brasileiros. O São Paulo perdeu Paulo César Carpegiani após três derrotas, sequência que já levou o Atlético Mineiro à zona de rebaixamento. O Grêmio figura entre os piores pela série sem vitórias no Brasileirão. Vindo de duas derrotas seguidas, o líder Corinthians sabe que se voltar a tropeçar nesta quarta-feira diante do América-MG, às 19h30, no Pacaembu, pode pagar com a primeira colocação.

Depois de ter sete pontos de vantagem sobre o segundo colocado, há a possibilidade de o Corinthians ser superado pelo Flamengo, desde que os cariocas vençam e os paulistas, não. Ver a campanha arrasadora das rodadas iniciais e o respeito dos rivais irem pelo ralo é o que os alvinegros buscam evitar no Pacaembu, onde entram com obrigação da vitória. A ordem é sufocar o lanterna do Nacional desde o primeiro toque na bola. Nada de deixá-lo respirar.

Abrir o placar rapidamente significa pôr fim à possível retranca do oponente. E evitar que a desconfiança dos corintianos após duas derrotas se transforme em vaias. O Corinthians quer usar a torcida – o Pacaembu deve estar cheio – para desestabilizar o oponente e não o contrário.

“Estamos vindo de duas derrotas que o grupo sentiu, os adversários se aproximaram. Agora, enfrentaremos um rival que não tem a tradição do Corinthians e que não vem bem. Isso gera obrigação, a pressão é maior, mas temos de ter maturidade e consciência. Claro que nós queremos seguir na liderança, porém são 90 minutos para criar o placar. Temos de ter velocidade sem ser desesperados”, afirmou Tite, que terá a volta do zagueiro e capitão Chicão.

Responsável direto por nove dos 21 gols do time na competição – fez dois e deu sete assistências -, o meia Danilo espera repetir as boas apresentações para que os tropeços contra Cruzeiro e Avaí fiquem para trás, como acidente de percurso.