Camisa 10 da seleção brasileira e jogador mais caro da história do futebol mundial, Neymar vai estrear na Copa do Mundo de 2018 sem estar em sua condição física ideal. De acordo com o técnico Tite, o atleta ainda não está totalmente recuperado de cirurgia no pé direito.

“O Neymar não esta 100%, mas é privilegiado fisicamente. O sprint e velocidade dele são impressionantes”, apontou o treinador. 

Neste domingo (17), o Brasil enfrenta a Suíça, em Rostov, pela primeira rodada do Grupo E.

No início de março, o jogador foi submetido a uma cirurgia no quinto metatarso do pé direito. Neymar sofreu a fratura no pé direito no fim de fevereiro durante clássico contra o Olympique, pelo Campeonato Francês. 

Apesar de não estar 100% fisicamente, Neymar balançou as redes nos dois últimos amistosos da seleção brasileira antes da Copa: contra a Croácia (vitória por 2 a 0) e Áustria (triunfo por 3 a 0).

Neste sábado (16), o jogador apareceu com um novo penteado, com o cabelo pintado de loiro, durante treino aberto para reconhecimento de gramado na Arena Rostov.

Para o confronto, Tite definiu o elenco da seleção brasileira como o considerado ideal pela comissão técnica. “Forte, competitivo, qualidade técnica individual, critério de jogo estabelecido e é uma das equipes postulante ao titulo”.

O treinador também analisou a experiência de dirigir a equipe de seu país em uma Copa do Mundo. 

“Desafiadora, continua sendo para manter esse padrão e ser melhor. Nós criamos essa expectativa. Queremos, sim, caímos em um plano emocional, estou olhando para todos vocês, o mundo voltado ao futebol e a nós, queremos ter a mesma naturalidade que em outras ocasiões”, disse Tite.

Para o duelo de estreia, Tite promoveu o lateral esquerdo Marcelo para utilizar a tarja de capitão da seleção brasileira.

O jogador possui 55 partidas com a camisa da seleção, além de seis gols marcados.

“É uma coisa que eu gosto, sim, uma parte da liderança que posso passar para o grupo. Tenho 30 anos, por tudo o que vivi no futebol, queira ou não ganha experiência. Gosto de representar meu país, nada nesse mundo paga isso”, apontou Marcelo.

“Com o tempo ganha experiência e maturidade convivendo com a seleção e o clube. Espero ajudar a seleção com um pouquinho de esforço em cada treinamento. Todos os jogadores da seleção podem contribuir um pouquinho, posso ajudar, sim, e a ajuda vai ser de todos os jogadores”, finalizou o lateral.