Bastaram 90 minutos de Copa do Mundo para, mais uma vez, o técnico da Argentina perceber que é preciso mudar o esquema tático da equipe.

Aconteceu em 2014 com Alejandro Sabella e se repetiu em 2018 com Jorge Sampaoli, mas ao contrário.

Jorge Sampaoli “abriu mão de convicções” (nas palavras do próprio técnico) e não venceu a Islândia.

Ficou no empate em 1 a 1. Treinou com Lo Celso, jogou com Biglia. Treinou com Mercado, jogou com Salvio. Queria uma equipe ofensiva. A Argentina patinou.

O treinador vai apelar para um esquema 3-4-3 nesta quinta (21) contra a Croácia, partida decisiva para a seleção no Mundial da Rússia.

“Teremos mais alguns dias para nos preparar, mas estamos acostumados a passar situações em que é preciso jogar de forma distinta em relação ao jogo que passou. Não há muito tempo de trabalho, mas podemos atuar com uma linha de cinco”, disse Gabriel Mercado, que deverá formar linha de defesa com Otamendi e Tagliafico.

“Linha de cinco” é uma expressão que foi usada em 2014 e não foi sucesso de público ou de crítica. A ideia é que, sem a bola, a seleção tenha cinco jogadores na defesa. Foi usada por Alejandro Sabella na primeira partida da Copa de 2014, quando a Argentina jogou mal, mas venceu a Bósnia por 2 a 1, no Maracanã. Placar que se repetiria em Moscou contra a Islândia se Messi não tivesse errado o pênalti.

No Brasil e na Rússia os técnicos argentinos perceberam ser necessária uma correção de rumo. Há quatro anos até Messi não fez muita questão de esconder seu descontentamento com a tal linha de cinco. Ele ficava isolado demais na frente, o jogo não fluía.

A ideia de Sampaoli é dar liberdade para Acuña na esquerda e Salvio na direita para que cheguem ao ataque e depois componham a retaguarda. Não é pensamento original, mas Sampaoli, assim como Sabella, tenta tirar o melhor de Messi.

“Quando você tem um jogador especial assim, precisa cercá-lo de jogadores que maximizem o seu potencial”, disse o treinador.

Antes do Mundial, Sampaoli falou no sonho de dar um passo à frente em relação ao time de 2014, que perdeu na final para a Alemanha. No caso de Sabella, a mudança valeu a pena, mas a seleção só chegou à decisão porque, no meio do caminho, o técnico fez outra mudança tática.

Ele percebeu que a Argentina ficaria muito frágil na defesa a partir das oitavas de final. Colocou Biglia no meio-campo (o mesmo jogador que agora sairá do time), trancando o setor, e fez Messi comprar a ideia de que valeria a pena se sacrificar em nome de um bem maior.

“Meu filho disse que depois dos jogos sua perna pesa 100 toneladas”, afirmou à época o pai do atacante, Jorge Messi, sobre o cansaço muscular do craque argentino.

Sampaoli tem a confiança de Lionel, mas isso dura enquanto os resultados aparecerem.

Entretanto, quem está em dívida por ora é Messi. As cobranças seriam bem menos pesadas do que foram se ele tivesse convertido o pênalti. E talvez a linha de cinco, defenestrada em 2014 e agora renascida em 2018, não existiria.