enkontra.com
Fechar busca

Copa do Mundo 2018

Exemplo

“Segredo” do futebol belga chega ao Atlético

Empresa que uniformiza trabalho desde as categorias de base revolucionou futebol belga; Furacão é um dos primeiros clubes do Brasil a fechar contrato

  • Por Folhapress
A Double Pass já está trabalhando no CT do Caju. Foto: Felipe Rosa

Já virou hábito se referir à atual seleção da Bélgica como a “ótima geração belga”. A expressão é usada até mesmo de forma jocosa pelos que contestam a qualidade dos jogadores que eliminaram o Brasil nesta sexta-feira (6), pelas quartas da Copa do Mundo.

Na Europa, muitos a chamam de “geração de ouro” do futebol belga. A alcunha, no entanto, pode insinuar que a atual seleção da Bélgica é fruto da sorte, pela feliz coincidência de nascimentos de bons jogadores mais ou menos ao mesmo tempo.

O fato é que esta geração tem pouco a ver com o acaso. Mas corresponde a um projeto iniciado na década passada e que revolucionou o futebol de base do país —ainda serviu de exemplo para a Alemanha, que conseguiu chegar ao título de 2014 com sua “fornada”.

Confira a tabela da Copa do Mundo!

A iniciativa belga continua, por sinal. E a tendência é que novas levas de bons jogadores apareçam nos próximos anos. E o futebol paranaense já se ligou em um dos segredos belgas.

”É claro que há jogadores que você não produz só como resultado de um sistema, gente com o talento de Hazard ou De Bruyne. Mas, quando você olhar para o número de jogadores belgas em alto nível e em grandes ligas, percebe que não estamos falando de coincidências”, conta Bob Browayes, um dos mentores do projeto.

“Nossos times sub-21, sub-17 e sub-16 têm ótimos resultados. Nós temos o sistema e temos a visão, não é apenas uma geração de ouro. A base de todo o processo está em desenvolver jogadores, sem a preocupação com resultados nas categorias inferiores”.

O “turning point” foi a Eurocopa do ano 2000, quando a Bélgica foi anfitriã junto com a Holanda e não passou da primeira fase. Viria a Copa de 2002 e uma eliminação polêmica para o Brasil, nas oitavas de final. Mas, à essa altura, um homem chamado Michael Sablon resolveu mudar o destino do futebol belga.

LEIA TAMBÉM: Ataque do Atlético funcionou com Tiago Nunes

Membro de comissões técnicas que haviam ido a Mundiais, no passado, ele era diretor técnico da URBSFA (sigla para entidade máxima do futebol belga) naquela época. “Nossos times estavam desabando, nossas seleções eram cada vez piores”, contou Sablon em uma entrevista ao inglês Daily Mail. O “projeto-2000” começou a ser desenhado. E, na prática, passou a funcionar a todo vapor em 2006.

“Nós juntamos um grupo de pessoas na mesa e fizemos um guia. Era um livro, de fato, com planejamento e diretrizes para três grupos: clubes, seleções nacionais e os treinadores nas escolas. Adotamos a mesma visão para os três grupos e fomos de porta em porta, a todos os clubes, pedir para que seus times sub-18 jogassem da mesma maneira. Percebemos que, nos clubes, o que importava era ganhar jogos nas categorias de base e isso não ajuda nada, nada, nada a formação de jogadores. Pedimos para que todos jogassem no 4-3-3, com pontas, três meio-campistas e linha de quatro atrás. Demorou cinco, seis anos para fazer com que os clubes aceitassem a ideia. No começo foi terrível, não foi nada fácil. Mas aí eles começaram a ver que aquilo funcionava, que os jogadores estavam ficando melhores.”

Mertens (14) e Lukaku (9) marcaram os gols da Bélgica contra o Panamá. Foto: Vitor R. Caivano/Estadão Conteúdo

Mertens (14) e Lukaku (9) marcaram os gols da Bélgica contra o Panamá. Foto: Vitor R. Caivano/Estadão Conteúdo

O intercâmbio foi fundamental, a Bélgica foi buscar informações e conhecimento nas “fábricas” da Holanda e da França. O sistema tático único veio acompanhado de muitos métodos de trabalho —e foi se transformando nos anos seguintes. Tudo isso auditado por uma empresa belga chamada Double Pass, responsável por observar se os clubes estavam seguindo as diretrizes de forma correta.

Por diretrizes entenda-se todos os detalhes possíveis e imagináveis. Desde tamanho de vestiários e qualidade de equipamentos até capacitação dos treinadores de todas as categorias, do fraldinha ao profissional. O grande foco é fazer com que, em cada clube e, claro, nas seleções, os jogadores estejam submetidos a uma filosofia de trabalho —e não sejam reféns de resultados, mudanças de técnicos, influência de agentes, etc.

O sistema belga também tem um olhar para jogadores de “amadurecimento tardio”, para que o talento não seja desprezado prematuramente e seja perdido pelo caminho. “Somos um país pequeno, não temos margem para desperdício. (O goleiro) Courtois, por exemplo, não esteve nos nossos times sub-15, 16 ou 17, mas seguimos monitorando”, conta Bob Browayes.

O sistema leva em conta também que a Bélgica se transformou em um país multicultural, com a chegada de muitos imigrantes, e usa o futebol como eixo de socialização e integração. Conforme o projeto avançou, clubes de grandes ligas europeias foram buscar talento na base belga. Estes jogadores passaram a atuar no mais alto nível e a ficarem ainda melhores —o círculo virtuoso continua a todo vapor.

Atlético encaminha sistema

Em 2006, a Double Pass chegou à Bundesliga. Desde então, todos os clubes alemães seguem as mesmas diretrizes de treinamento, o mesmo conceito de trabalho, com uma filosofia de jogo definida e posta em prática em todas as idades na categoria de base. A Premier League passou a adotar o mesmo sistema há cinco anos. No Brasil, a Double Pass engatinha, com acordos recentes com o Flamengo e o Atlético.

Segundo o site Transfermarkt, referência em valores do mercado do futebol mundial, a atual seleção da Bélgica está avaliada em R$ 3,4 bilhões, é a sexta do ranking. A França tem a seleção mais “valiosa” da Copa, e o Brasil tem a segunda (R$ 4,4 bi).

Ainda antes da abertura da janela de transferências, a tendência neste momento é que 24 jogadores belgas estejam na próxima Premier League, o campeonato mais caro do mundo —11 deles estão na atual seleção, e o valor de mercado destes 24 soma R$ 2,8 bi. O Brasil, por enquanto, tem 18 atletas que devem iniciar a próxima Premier, 7 deles na seleção atual de Tite (R$ 2,1 bi).

Imaginar 20 anos atrás que a Bélgica teria jogadores com valor de mercado parecido ao dos brasileiros seria uma loucura.

Atualmente, o projeto belga está tentando introduzir mais futsal no desenvolvimento de crianças. “É um ambiente fantástico de aprendizado e queremos integrar futsal e futebol nas seleções”, explica Browayes.

O grande desafio belga não é nem seguir formando e criando bons jogadores e, sim, como fazer a transição —sucesso e fracasso recentes de seleções como França, Espanha e, agora, a Alemanha, mostram como não é fácil construir a abertura de caminho para os mais jovens.

“A geração anterior à atual era uma geração perdida, então o caminho estava livre para eles. Vai ser um desafio encontrar o momento certo de fazer a transição para as próximas. Nunca pensamos que chegaríamos à terceira posição no ranking da Fifa, o foco era apenas o desenvolvimento de jogadores. Vamos seguir trabalhando para melhorar nosso sistema de formação e cada vez mais conquistar coisas maiores”, avisa Browayes.

Falta agora à seleção dourada conseguir, de fato, ganhar alguma coisa. E a grande oportunidade está no jogo contra o Brasil, em Kazan.

”Temos uma grande mentalidade, amadurecemos, estamos juntos há muito tempo e temos esse grande jogo na sexta-feira. Todos queremos mostrar o que podemos fazer contra o Brasil, é um grande desafio para nós”, assumiu o volante Fellaini.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

20 Comentários em "“Segredo” do futebol belga chega ao Atlético"


Chico Cunha
Chico Cunha
9 dias 15 horas atrás

Que tal uma matéria com o tal Fernandinho? Pior jogador em campo ontem, gol contra, falhou no segundo gol, deixou um buraco no meio campo e estava no 7×1. Não poderia ser convocado. Jogou no cap que comemora participações em torneios. Já Miranda, destacado no Coxa, foi o melhor do Brasil em campo.

Chico Cunha
Chico Cunha
9 dias 15 horas atrás

É só a Tribuna poodle cavando algum assunto marqueteiro para chamar a atenção pro seu time. Nem os poodles caem mais nessa.

ari borgonovo
ari borgonovo
9 dias 23 horas atrás

Opas até que enfim alguem acordou ,de tantoi ver jogos talves aprenderam com a Belgica. Quando é atacada deixa dois atacantes no meio campo ,viram no jogo do Brasil O Marcelo e o Wiliam ia e levava nas costas direto se já aprenderam um pouco ja sabem disso. Ai os olheiro ndo furacao foi cornetear

Cláudio
Cláudio
10 dias 2 horas atrás

Tipo aquele “cronista” torcedor, que quando vai comentar qualquer coisa sobre o time dele, cita um grande escritor ou uma mundialmente conhecida obra de arte para fazer a comparação. Todos sabem quem é ele. Se embriaga em devaneios e o povão acredita. Só faz a piada ficar mais engraçada.

Almir Ivan Borges
Almir Ivan Borges
9 dias 11 horas atrás

kkkkk.

João
João
10 dias 2 horas atrás

Exato! E você não pode dizer nada contra os argumentos dele, pois a exemplo do dono do CAP, que se acha o dono da verdade, sua palavra é lei. E você não pode dizer nada.

Cláudio
Cláudio
10 dias 2 horas atrás

Eu fico imaginando como se sente um poodle agora.
Tudo que há de melhor no planeta está lá no fim da rua. Daí, a cada manchete latem bem alto mas e os resultados?
Acaba virando tudo em uma baita piada e o coroné ainda coloca a culpa na torcida e na imprensa.

Almir Ivan Borges
Almir Ivan Borges
9 dias 11 horas atrás

Pois, é. Futebol envolve muito marketing, mas não é apenas marketing. Aos poucos, os olhos da torcida pulguenta vão sendo abertos e nem as fanfarronadas do koroné nem os devaneios imagéticos do jornalista da dupla papada enganarão mais esse bando de trouxas do fim da rua.

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas