Pela primeira vez desde 2006, a Inglaterra está nas quartas de final de uma Copa do Mundo. Ao melhor estilo inglês, com sofrimento, nos pênaltis, após uma prorrogação arrancada aos 48min do segundo tempo pela Colômbia.

O time do artilheiro da Copa, Harry Kane, derrotou a equipe sul-americana, que estava desfalcada de sua maior estrela, James Rodriguez. No tempo normal, houve empate por 1 a 1, seguido por um duelo sem gols na prorrogação

E Kane fez o seu, convertendo um pênalti aos 12min do segundo tempo. Tem agora seis gols no torneio e se tornou, ao lado de Gary Lineker em 1986, o maior goleador inglês numa edição de Mundial. Do outro lado, Mina marcou de cabeça nos acréscimos.

“Essa é uma grande noite para a Inglaterra. Falou-se muito de sermos um time jovem [com 26 anos, em média], mas crescemos muito no campo”, afirmou o atacante de 24 anos.

O popular técnico inglês, Gareth Southgate, vinha tomando decisões contestadas, como deixar Kane, capitão da equipe, no banco. No jogo final da fase de grupos, poupou ele e outros sete jogadores e perdeu para a Bélgica, caindo na chave com menos campeões mundiais da Copa.

A disputa vencida por 4 a 3 evocou outros dramas ingleses –o país que inventou o futebol só foi campeão mundial uma vez, em 1966, e tem em sua história uma série de eliminações nos pênaltis.

A seleção perdeu duas semifinais, na Copa de 1990 e na Eurocopa jogada em casa em 1996, nos pênaltis. Foi eliminada da mesma forma nas quartas da Euro-2006, da Copa-2006 e da Euro-2012.

Para Southgate, um fantasma extra: ele foi o homem que perdeu o chute decisivo em 1996. Nesta terça, praticou o exorcismo ao som de “Three Lions”, música daquela mesma Euro-96 que a Fifa toca em homenagem ao time inglês nesta Copa.

“Eu estava completamente calmo. Tinha muita fé no goleiro e nos batedores”, disse, comentando então a Euro-96. “[O peso do pênalti perdido] nunca vai sair das minhas costas”, completou.

Agora, os ingleses pegarão a Suécia e, se vencerem, podem acabar enfrentando a Rússia na semifinal –se a seleção anfitriã vencer a Croácia.

Será um verdadeiro clássico geopolítico, se ocorrer. Londres liderou uma campanha internacional contra Moscou depois que um ex-espião russo foi envenenado com a filha na Inglaterra.

Houve expulsões mútuas de diplomatas e as relações entre o Kremlin e Londres estão no pior momento desde a Guerra Fria. Southgate creditou o baixo comparecimento de ingleses a estádios russos justamente a temores de como seriam recebidos.

A Colômbia, por sua vez, caiu novamente sendo comandada pelo argentino José Pékerman. No Brasil, em 2014, ele perdeu as quartas contra os anfitriões. Antes, em 2006, comandava a Argentina que caiu nessa mesma fase para a anfitriã Alemanha.

“Dói muito para uma equipe que lutou tanto”, disse ele, que não quis projetar seu futuro à frente da equipe que treina desde 2012.

Apesar do apoio maciço da torcida, majoritariamente pró-Colômbia entre os 44.190 pagantes que lotaram o Estádio Spartak, a equipe estava sem James, que se lesionou no jogo contra Senegal na semana passada.

O meia assistiu à derrota na beira do gramado, com o também barrado Borja. No campo, seus companheiros tiveram bastante dificuldades e apelaram à violência, levando 6 dos 8 cartões amarelos do jogo –inclusive o de Sanchez, no lance que levou ao primeiro gol inglês.

A partida começou com um visível domínio inglês, embora as chances de gol fossem bastante escassas. A Colômbia se defendia bem, mas não conseguia subir, concentrando as jogadas pelo lado esquerdo, com Quintero.

Aos 15 min, talvez a melhor chance inglesa aconteceu quando Kane cabeceou um cruzamento de Trippier por cima do gol. A partir dos 25 min, a Colômbia melhorou seu volume de jogo, ainda que sem efetividade nas finalizações.

O segundo tempo começou mais equilibrado, mas o pênalti convertido por Kane acabou desequilibrando a Colômbia, que fez 20 faltas –contra 11 dos ingleses, no tempo regulamentar.

A partida ficou truncada, e tudo indicava que os ingleses sairiam vencedores. A arquibancada colombiana ensaiou até xingamentos em uníssono à mãe do juiz.

Até que aos 48 min, Uribe acertou um belíssimo chute à distância, obrigando Pickford a fazer uma defesa igualmente cinematográfica.

No escanteio que se seguiu, o ex-palmeirense Mina subiu mais que os zagueiros ingleses e marcou o gol. O Spartak tremeu, e a Colômbia ainda aproveitou os dois minutos restantes de acréscimos para pressionar a Inglaterra.

Na prorrogação, os times ameaçaram de lado a lado, com mais empolgação do que técnica. Apoiada pela torcida, a Colômbia dominou os contra-ataques e parecia mais inteira fisicamente que a Inglaterra.

A melhor chance, contudo, ocorreu aos 9 min do segundo tempo da prorrogação quando Dier cabeceou um escanteio para fora.

Logo depois, veio a roleta-russa dos pênaltis. Henderson perdeu o terceiro pênalti, levando a arquibancada ao delírio, só para ser calada pelo erro seguinte de Uribe. A defesa de Pickford na cobrança de Bacca deixou tudo nos pés de Dier, que chutou forte e converteu.

Ao som de “Three Lions”, colocada a todo volume nos alto-falantes ao fim do drama, os ingleses desta vez puderam comemorar.