SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O futebol é prioridade na Copa do Mundo e isso jamais seria diferente, mas os videogames têm sido importantes coadjuvantes no dia a dia das seleções na Rússia. Enquanto decidem dentro de campo, os craques fazem questão de mostrar como se divertem fora dele.

Na vitória sobre o México por 2 a 0, nesta segunda-feira (2), a comemoração de Neymar no primeiro gol do Brasil foi um gesto inspirado no game de tiro “Counter-Strike: Global Offensive”, o popular “CS:GO” que encanta pessoas de diferentes gerações.

Logo depois de marcar, o camisa 10 da seleção brasileira reuniu os colegas de time em um círculo e fingiu jogar um objeto no chão. Na imaginação de Neymar, este item invisível representa uma “flashbang”, granada de luz que deixa os rivais atordoados.

Na mesma hora, Casemiro, Philippe Coutinho, Gabriel Jesus e Willian cobriram os olhos com os braços, como se quisessem se proteger do clarão.

A princípio, parte do público pensou que a comemoração fosse uma referência ao seriado “Chaves”, do México. Mas ninguém estava imitando o personagem Quico. Aliás, Neymar, Casemiro, Coutinho, Gabriel Jesus e Willian são parceiros constantes na jogatina.

No dia 7 de junho, quando a delegação já estava concentrada na Europa para a disputa da Copa do Mundo, estes atletas chegaram a improvisar uma partida de futebol dentro do “CS”. O grupo pegou emprestada uma bola do cenário e brincou, com narração de Neymar.

O atacante do Paris Saint-Germain é um grande fã de videogame e nunca escondeu isso. Em sua mansão em Mangaratiba (RJ), o atleta tem um “gaming room” —termo usado para “sala de jogos” ou “lan house”— particular para desfrutar ao lado dos “parças”.

Outro jogo que tem o carinho do astro é o “Player Unknown’s Battlegrounds”, o famoso “PUBG”. Este é o que mais distrai Neymar na concentração, e nem é preciso abrir seu perfil da plataforma Steam —na qual ele joga sob o misterioso nome de “€n€J0T@”— para descobrir quando o atacante está jogando, já que ele próprio publica fotos e vídeos no Instagram.

No entanto, nem só de “CS” e “PUBG” vivem os atletas durante a Copa. Um dos principais nomes da França no Mundial, Griezmann adora comemorar gols com uma dança estranha, um gesto de “L” feito com os dedos e uma mão nas partes íntimas, em um combo que expressa muito amor pelo jogo “Fortnite”.

É difícil dizer se os adversários de Griezmann não se incomodam ou só não conhecem o game bem o suficiente, mas fazer o gesto de “take the L” é, basicamente, dizer que o oponente precisa aceitar a derrota; o “L” é um jeito de chamá-lo de “loser”, perdedor, quando você o mata. Afinal, o principal objetivo buscado no “Fortnite” é sobreviver.

Ao contrário do “CS”, no qual o jogador renasce após cada morte, “Fortnite” põe dezenas de pessoas em uma ilha, com armas, itens médicos e materiais de construção, e dá a vitória ao único que não for morto pelos demais. Um conceito parecido com as histórias “Jogos Vorazes” e “Battle Royale”.

Neymar e Griezmann não são os únicos gamers da Copa. Os atletas Dele Alli, Harry Kane e Kieran Trippier, da seleção inglesa, não só são fãs de “Fortnite” como ainda costumam jogar ao vivo na plataforma de streaming da Twitch.

Falando em Harry Kane, o atual artilheiro do Mundial 2018 já foi questionado sobre o que tem feito no tempo livre, quando não está fazendo gols pela Inglaterra. “Nós jogamos Fortnite”, limitou-se a dizer o goleador. A julgar pelos seus números em campo, está dando certo.