Só faltava a Inglaterra confirmar seu favoritismo diante da Tunísia para que esta segunda-feira (18), o quinto dia de Copa do Mundo, fechasse com uma trinca europeia de vitórias. Além da seleção campeã em 1966, belgas e suecos também somaram três pontos em seus jogos inaugurais na Rússia.

Com dois gols do atacante Harry Kane, os ingleses empatavam a partida até os 46 minutos do segundo tempo, quando o centroavante do Tottenham (ING) cabeceou para marcar o seu segundo no jogo e selar a vitória britânica em Volgogrado.

Com os resultados positivos de Inglaterra, Bélgica e Suécia, a Alemanha foi a única seleção da Europa que perdeu na primeira rodada até aqui. A Polônia é a última europeia a entrar em campo, nesta terça (19), contra Senegal.

As seleções da Europa são maioria na Copa do Mundo, com 14 representantes de um total de 32. O continente também ficou com os três últimos títulos (Alemanha em 2014, Espanha em 2010 e Itália em 2006) e não poderá ser alcançado neste Mundial: são 11 taças dos europeus, seguidos por 9 conquistas dos países sul-americanos.

Harry Kane, capitão da Inglaterra, chegou à Rússia no melhor momento da carreira. Foram 41 gols na temporada somando Inglês, Copa da Inglaterra e Copa da Liga Inglesa, além da Liga dos Campeões, na qual fez sete gols em sete partidas.

Só no ano inteiro de 2017, Kane contabilizou 56 gols, número melhor que os de Messi e Cristiano Ronaldo, que somaram 54 e 53, respectivamente. Esse recorde marcou a primeira vez em sete anos que um atleta diferente do argentino ou do português liderou a artilharia anual europeia.

O lateral Kyle Walker, ex-companheiro de Kane no Tottenham, quase complicou a Inglaterra ao abrir o braço no rosto de Ben Youssef. O tunisiano Sassi bateu bem o pênalti e empatou o jogo. Mas Harry Kane estava lá, nos últimos minutos, para dar à Inglaterra os primeiros três pontos na Rússia. Walker e toda a nação inglesa agradecem.

BÉLGICA 3X0 PANAMÁ

Espera-se muito da seleção belga pelos talentos que reúne no elenco, com destaque para a dupla de meias criativos Kevin De Bruyne e Eden Hazard, campeões ingleses nas duas últimas temporadas com Manchester City e Chelsea, respectivamente.

Mas nem a qualidade dos dois foi capaz de furar o bloqueio panamenho no início da partida em Sochi.

Estreante em Mundiais, o Panamá se defendia com seus 11 homens atrás da linha da bola, sem muitas alternativas de jogo para puxar um contra-ataque. Fechados, os debutantes forçaram os europeus a arriscarem chutes de longa e média distância, fazendo o goleiro Jaime Penedo trabalhar bem pelo menos duas vezes.

Contudo, na etapa final, um golaço de Mertens abriu o caminho para a vitória. O atacante do Napoli (ITA) aproveitou rebote da defesa panamenha e pegou de primeira para fazer 1 a 0.

O esquema panamenho foi quebrado quando, enfim, apareceu a qualidade de Hazard e De Bruyne. O camisa 7 recebeu passe do meia do Chelsea e cruzou de três dedos na cabeça de Lukaku.

Com o 2 a 0, o Panamá decidiu se lançar para tentar ao menos descontar. Mas surgiram os espaços e Hazard achou Lukaku que, mais uma vez, superou o goleiro Penedo com um toque sutil por cima para fechar a vitória.

Lukaku chegou a 38 gols pela seleção, aumentando seu recorde como principal goleador da história da Bélgica.

Aos 25 anos, o atacante do Manchester United (ING) se aproveita do grande momento que vivem Hazard e De Bruyne para seguir ampliando a conta de gols pela seleção. É no trio de protagonistas, auxiliados por bons coadjuvantes e um goleiro seguro, que muitos se apoiam na hora de colocar a Bélgica como postulante a coisas grandes.

Em 1986, foram semifinalistas e caíram para a Argentina, que foi campeã, terminando o Mundial em quarto.

Terceira seleção no ranking da Fifa, venceu nove dos dez jogos nas eliminatórias. O talento apareceu em Sochi e os 45 minutos finais oferecem argumentos para esperar uma boa campanha na Rússia.

SUÉCIA 1X0 COREIA DO SUL

No jogo mais equilibrado do dia, a Suécia contou com ajuda do árbitro de vídeo para vencer a Coreia do Sul, em Nijni Novgorod, e conquistar seu primeiro triunfo em jogos de abertura do Mundial desde 1958.

No segundo tempo, o meia Viktor Claesson invadiu a área e foi derrubado por Kim Min-woo. O lance parecia normal e o árbitro nada assinalou, até que recebeu a orientação do árbitro de vídeo e voltou para marcar a penalidade a favor dos suecos.

Fazer gols é um dos problemas que a equipe trouxe para este Mundial. Desde que eliminou a Itália na repescagem, fez somente um gol em quatro partidas, com duas derrotas para seleções que não estão na Rússia: Chile e Romênia. Sem a lenda Ibrahimovic no elenco, coube a um zagueiro terminar a sequência de maus resultados.

Andreas Granqvist, 33, é o capitão da seleção e joga no país da Copa, pelo Krasnodar. Foi ele o encarregado de cobrar o pênalti e marcar o gol da Suécia, que não jogava a Copa do Mundo desde 2006.