A seleção brasileira masculina de vôlei disputa amistoso nesta sexta-feira, contra a França, às 20h30, em Nova Friburgo, região serrana do Rio, na seqüência da preparação para o Campeonato Mundial na Argentina, que começa dia 29. O técnico Bernardinho lamentou os problemas de contusão da equipe. Giba esteve ausente dos treinos da semana por causa de uma foliculite (inflamação da raiz dos pêlos). André Nascimento e Anderson, com dores musculares, foram poupados de algumas atividades no mesmo período e Nalbert ainda está sob observação, devido a uma pequena lesão de ombro.

?É claro que isso tudo tem prejudicado o trabalho?, lamentou Bernardinho. Giba não participará do amistoso desta sexta-feira e poderá desfalcar a seleção também no sábado, quando o Brasil enfrentará novamente a França, e nos amistosos de domingo e segunda-feira, ambos contra o Japão.

Bernardinho sugeriu que faltou maturidade a Giba, por não ter revelado logo aos médicos da seleção o surgimento da inflamação. André poderá dar a vaga de titular a Dante no amistoso desta sexta-feira. Mas é quase certa sua presença nos outros amistosos. Já Anderson e Nalbert poderão atuar em todas as partidas.

O técnico brasileiro admitiu que a Rússia, atual campeã da Liga Mundial, é a melhor seleção no momento. Fez elogios às equipes da República Checa, Iugoslávia e Itália, destacando ainda o poder do vôlei masculino dos Estados Unidos e a força da Argentina, como anfitriã da competição. Ele desdenhou da ?obrigação? de o Brasil chegar novamente a uma final – foi assim nas últimas oito competições internacionais. ?Só se fala nessa possibilidade de conquistar um titulo inédito. Mas não é bem assim. Há excelentes seleções no Mundial.?

A perda do título da Liga Mundial, na final contra a Rússia, teve um peso no ânimo do grupo, segundo avaliou Bernardinho. Mas ele rechaçou o comentário de um dos atletas da seleção, feito durante a semana, de que seria preciso esquecer a derrota para pensar no Campeonato Mundial. ?Ao contrário, temos que lembrar do jogo final com a Rússia para corrigir nossos erros e tirar lições?, disse o treinador, que destacou os erros na relação bloqueio-defesa e nos saques.

Embora tenha dito que gostaria de ver o time do Brasil em atividade pelo menos mais duas vezes até a estréia no Mundial  Bernardinho quer aproveitar bem os amistosos contra França e Japão. Mas ele não esconde que sua preferência era enfrentar seleções mais altas e fortes fisicamente que as duas escolhidas. Citou como exemplo Bulgária e Polônia. ?De qualquer forma, os amistosos são importantes porque vão nos dar ritmo de jogo.?

Depois de mais um treino puxado nesta quinta-feira, Bernardinho também virou assunto médico na seleção. Ele precisou até colocar saco de gelo no braço direito, já que sentiu dores depois de centenas de cortadas que deu no treinamento realizado no Centro de Capacitação Física do Exército, na Urca, zona sul do Rio. Mas, bem-humorado, o técnico brincou ao dizer que ?não era dúvida? para o Mundial.