A mobilização de dirigentes, técnicos e atletas oficializou na última semana, a realização do 1.º Campeonato Paranaense de basquete sobre Cadeira de Rodas. Ponta Grossa, por possuir um ginásio próprio para as atividades esportivas destinadas ao deficiente, foi escolhida como cidade sede da competição, que contará com nove equipes.

Estão confirmadas as presenças da ADFP/Fênix e CEDE/PUC, ambas de Curitiba, MM/Apedef de Ponta Grossa, ADDFPS de Pinhais, ADFG de Guarapuava, UDF de Foz do Iguaçu, Unipar de Umuarama, UEM de Maringá, UEL/FEL Adefil de Londrina.

O campeonato será realizado entre os dias 6 e 8 de novembro, no complexo esportivo Jamal Farjallah Bazzi, e contará com o apoio da ADFP, Apedef, Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, e do MM-Mercado Móveis.

Segundo o professor Darlan Júnior, um dos organizadores do torneio, e técnico da seleção brasileira de boccia, o Paraná já é um grande celeiro de atletas paraolímpicos em modalidades como natação, tênis de mesa, atletismo e boccia, mas no basquete o estado não tem jogadores na seleção brasileira.

“A falta de maiores competições não permite o desenvolvimento dos nossos atletas, e por isso, este campeonato é de fundamental importância para a organização da modalidade e maior visibilidade no cenário nacional”, completa Darlan.

Já o presidente da Apdef -Associação Pontagrossense de Esportes para Deficientes Físicos, Noel Kostiuresko, a competição é o resultado do esforço das pessoas que dedicar basquete sobre cadeira de rodas”, finaliza o dirigente e também atleta.

Márcio Pauliki, superintendente do Grupo MM, e patrocinador da equipe de BCR de Ponta Grossa, entende que o deficiente físico não tem limites quando se fala em  possibilidades de praticar o esporte, e por isso acredita no desenvolvimento da modalidade o empresário.

Conforme o treinador da equipe do MM/Apedef, Bem Hur Chiconato, é fundamental que este campeonato envolva somente os atletas que treinam efetivamente nas equipes do Paraná.

“Até cogitou-se que um ou outro time traria jogadores de outros estados para fortalecer o campeonato. Acredito que este não seja o momento, pois vai desvalorizar o trabalho incansável feito por técnicos e atletas do Paraná”, alerta o treinador. Para ele, não se deve mudar o foco do campeonato, que é motivar o jogador da casa.