No última dia da primeira etapa de trabalho do comitê de inspeção da Fifa, composto por cinco integrantes, Manaus, Rio Branco e Belém prometeram gastar muito dinheiro dos cofres públicos para abrigar jogos da Copa do Mundo de 2014, caso o Brasil seja anunciado no dia 30 de outubro como a sede da competição.

Primeira a apresentar sua candidatura, hoje de manhã, num hotel da Barra da Tijuca (zona oeste da cidade), Manaus fez um orçamento inicial de R$ 400 milhões para revitalizar o estádio Vivaldo Lima, o Vivaldão – a Prefeitura do Rio gastou esse mesmo valor para construir o Estádio Olímpico João Havelange, o Engenhão.

Além disso, cerca de R$ 2 bilhões devem ser gastos para melhorar a infra-estrutura da cidade, numa ação conjunta do governo federal, estadual e municipal. A informação é do presidente da Federação Amazonense de Futebol, Francisco Dissica.

Em seguida, Rio Branco estimou investimento de R$ 330 milhões em melhorias na cidade, e mais R$ 105 milhões na reforma da Arena da Floresta, que terá sua capacidade ampliada de 13.500 para 40. 900 torcedores. A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, participou da apresentação do projeto da capital do Estado do Acre. "A apresentação impactou pelo coração e pela razão", disse.

Por último, Belém deve desembolsar cerca de R$ 230 milhões em infra-estrutura e US$ 64 milhões (R$ 128 milhões) na reforma do Estádio Mangueirão para atender às exigências da Fifa. "Será construído no local um parque aquático e campos de treinamento", afirmou o presidente da Federação Paraense de Futebol, Antônio Carlos Nunes.

Florianópolis, Curitiba, Cuiabá, Campo Grande, Goiânia, Fortaleza, Recife/Olinda, Salvador, Maceió e Natal já haviam exibido seus projetos na sexta-feira e no sábado. As 12 cidades escolhidas serão anunciadas até 31 de outubro de 2008. Amanhã, em Brasília, a comissão da Fifa começa a segunda etapa do trabalho de inspeção. E, a partir de terça-feira, visitará Belo Horizonte, São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro.