enkontra.com
Fechar busca

De Letra

Começa hoje a decisão do título paranaense de 2003

  • Por Cristian Toledo
Lima pode ser aidiantado para
repetir a dupla de ataque com
Marcel, esta tarde, em Paranavaí.

Acompanhe esta partida em tempo real

Faz muito tempo, pelo menos para a tradição do Coritiba. Há dois anos e nove meses a equipe não disputa uma final no futebol profissional, seja de que campeonato for.

Agora, o Cori retorna às decisões entrando como o favorito ao título paranaense, que começa a ser disputado esta tarde (16h), contra o Paranavaí, no Estádio Waldemiro Wagner, no noroeste do estado. O jogo, por si só, já marca história no futebol local.

Já se passam quatorze anos da última final envolvendo um clube da capital contra um do interior. Em 1989, Coritiba e União decidiram o título, com vantagem coxa. Outra marca é a de acontecer um jogo decisivo no interior do Estado – isso não ocorria desde 92, quando Londrina e União foram à final. Em decisões entre capital e interior, entretanto, isso não acontece desde 1977, quando o Grêmio Maringá recebeu o Coritiba no Willie Davids.

Portanto, o jogo desta tarde já carrega uma carga histórica respeitável. Além disso, o adversário alviverde encara um momento emblemático -nunca o Paranavaí chegou tão longe, e a cidade está preparada para a maior festa que o Felipão (?apelido? do estádio) já viu, incluindo até a inauguração que contou com a seleção brasileira.

Para o Coritiba, também há uma grande carga psicológica. Afinal, entrar em um campeonato (desde seu início) como favorito e chegar à final da mesma forma representa uma pressão constante encarada há quase dois meses. Além disso, o jejum de títulos (não conquista nada desde 1999) praticamente obriga o Cori a conquistar o campeonato paranaense.

E tanto os jogadores quanto o técnico Paulo Bonamigo reconhecem que não há -nesse primeiro semestre – mais importante que o Paranaense. “Esse título é fundamental para o Coritiba”, resume o meia Tcheco.

Mas se há a pressão, há também a consciência. O Coritiba não esquece que detém a vantagem de jogar por dois resultados iguais, fruto da melhor campanha na competição. “É o prêmio a quem foi melhor. E nós temos que aproveitar isso”, confessa o lateral-direito Ceará. “Só que nós não podemos pensar exclusivamente nisso. Nós temos uma forma de jogo e uma motivação que não podemos descartar. Se terminar empatado, ótimo, porque ganhamos”, reitera Bonamigo, da mesma forma que falou contra Malutrom e Londrina.

E se as coisas terminarem como contra Malutrom e Londrina, o campeonato paranaense será alviverde, depois de quatro anos. Pode até ser com uma dose de sofrimento, mas será. “Nosso principal objetivo era conquistar o título, e desta maneira retomar a hegemonia do futebol paranaense. E não vamos desistir até conseguirmos isso”, promete Bonamigo.

O segredos de Bonamigo

Era de se esperar. Se o técnico Paulo Bonamigo tinha a possibilidade de manter segredo quanto à escalação do Coritiba para o jogo de hoje contra o Paranavaí, ele não vai perder essa oportunidade. Nesse momento de decisão, qualquer segredo pode ser fundamental, ainda mais se ele valer para o Cori conquistar seu trigésimo-primeiro título paranaense.

Se bem que o próprio Bonamigo não é de fazer mistério – na verdade, ele já deu declarações confirmando que isso não faz muita diferença. ?O que decide é o jogo, são os atletas em campo. Esconder as coisas não adianta muito?, disse certa vez. Para o treinador coxa, as únicas situações que podem ser ?surpreendentes? para o adversário são as jogadas de bola parada. Mesmo assim, ele nunca realizou treinos ?secretos? para esconder o jaogo.

Mas o que leva Bonamigo a definir o Coritiba apenas momentos antes do jogo, após a chegada da delegação ao estádio Waldemiro Wagner? Simples: ele ainda não se posicionou sobre o substituto de Edu Sales. A confirmação está nas palavras de Pepo, grande favorito para começar jogando. ?O professor Bonamigo ainda não falou nada sobre a escalação com a gente?, afirma o meio-campista.

Talvez não seja exatamente assim, já que antes do treino de ontem, realizado no Sindicato dos Bancários de Maringá, houve uma conversa de quase quarenta minutos comandada por Bonamigo. O tema principal do papo foi a recuperação moral do time, evitando que qualquer abalo causado pela eliminação na Copa do Brasil afete a participação coxa na final desta tarde.

Mas é certo que o treinador também já falou sobre situações de jogo, e sobre os substitutos dos cinco titulares que desfalcam a equipe: Edinho Baiano (lesionado), Adriano (na seleção sub-20), Fabrício, Reginaldo Nasicmento e Edu Sales (suspensos). Em quatro situações, já foram definidas as novidades – Ricardo e Juninho seguem na equipe, e terão a companhia de Danilo e Willians na defesa.

Resta, portanto, o ?quinto homem?. O favorito é Pepo, que reforçaria a marcação de meio-campo, dando salvaguardas a Tcheco, que assim teria liberdade para ajudar mais o ataque. Além disso, Lima faria companhia a Marcel no ataque. ?Essa é uma tendência forte, mas ainda quero pensar em outras situações?, reitera Bonamigo.

As outras opções seriam a entrada de Alexandre Fávaro ou Gelson, que deixariam o Coritiba mais próximo do seu estilo normal – mas Fávaro, que talvez fosse o jogador que mais aproximasse a equipe da forma tática habitual, não conseguir render quando teve a oportunidade (contra o Malutrom). Mas será essa ou aquela a posição de Bonamigo, só se saberá ao certo em Paranavaí, a 494 km de Curitiba, e a 67 km de Maringá, onde o Coxa está concentrado.

Tcheco quer recompensa pela “preferência local”

Para Tcheco, a decisão do campeonato paranaense representa muito. É claro que todos os jogadores do Coritiba pensam de maneira semelhante, mas para o meio-campista o título estadual é a confirmação de que ele decidiu certo em permanecer no Alto da Glória, ao contrário de embarcar em uma aventura em mercados menores da Europa. Considerado o termômetro do time alviverde, Tcheco conta nesta entrevista à Tribuna como foram os momentos que separaram a eliminação na Copa do Brasil e o jogo de hoje contra o Paranavaí.

Paraná-Online – Foi muito decepcionante ganhar do Ituano e não se classificar para a segunda fase da Copa do Brasil?

Tcheco – Foi, porque vencemos e não levamos. Mas temos que esquecer isso, porque agora chegou a hora de decidir o campeonato paranaense. E nós jogadores e a nossa torcida desejamos muito que o título vá para o Alto da Glória.

Paraná-Online – E a recuperação de motivação começou já no vestiário, após o jogo?

Tcheco – Principalmente com o (coordenador técnico Sérgio) Ramirez. O Coritiba…

Paraná-Online – Você pode contar o que foi conversado?

Tcheco – Claro. O Coritiba tem uma comissão técnica muito boa no que diz respeito à motivação dos jogadores. E logo que entramos no vestiário o Ramirez disse que nós estávamos de parabéns pela vitória, apesar do objetivo não ter sido alcançado. E que era o momento de não ficar pensando em besteiras depois do jogo, e simplesmente pensar no campeonato paranaense, que é o nosso objetivo, e que o título vai coroar um trabalho que está sendo feito desde o ano passado.

Paraná-Online – É impressão de quem observa de fora ou vocês já pensavam mais no Paranaense mesmo antes do jogo contra o Ituano?

Tcheco – A gente consegue dividir bem as coisas. Infelizmente, o jogo contra o Ituano que nos eliminou não foi o do Couto Pereira, mas sim o de lá. Se fosse um jogo normal, nós abriríamos o placar e eles iriam para o ataque, dando espaços. Só que quando acabou o jogo, nós temos que pensar da forma que o Ramirez falou: a hora é de decidir o campeonato. E nós devemos um título ao torcedor, e ele está nos cobrando isso.

Paranavaí só tem uma dúvida

Para conseguir um resultado positivo, o técnico Itamar Bernardi aposta na mistura entre jovens talentos, e jogadores experientes. O Paranavaí conta com Neizinho e Aléssio, que têm transmitido tranqüilidade para os mais jovens. E outro ponto forte para o Paranavaí será o apoio da torcida.

Itamar Bernardi terá dois problemas para o jogo de hoje. O zagueiro Marcelo foi expulso na última partida e terá que cumprir suspensão. Vanderlei e Alex são os reservas da posição. O meia Júlio pode ser o outro desfalque. O jogador ainda está se recuperando de uma contusão no joelho esquerdo e não é certeza para a partida decisiva. Caso o meia não jogue, Nelmon deve ser a primeira opção.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas