Dizimado por lesões e ainda sob o efeito da eliminação na Copa Libertadores, na quarta-feira, o Fluminense recebeu o Figueirense, neste domingo, no Engenhão, com uma dupla de ataque formada por garotos e a missão de obter a segunda vitória no Campeonato Brasileiro. Uma dificuldade a mais foi acrescentada quando Wallace foi expulso no fim do primeiro tempo e, mais uma vez mostrando superação, a equipe carioca sustentou um empate por 2 a 2.

Os tricolores hão de se satisfazer com quatro pontos em duas rodadas tendo atuado com time reserva na vitória sobre o Corinthians, na estreia, e pelos problemas enfrentados neste domingo. Com uma semana e meia para o jogo contra o Santos, dia 6, a esperança é pelo retorno dos machucados.

No sábado, o técnico Abel Braga perdeu o lateral Bruno, com dores musculares, e o zagueiro reserva Leandro Euzébio, com hérnia de disco. Fred, Deco, Diguinho, Valencia, Rafael Sobis todos já estavam no estaleiro. Além de Rafael Moura, suspenso, e Wellington Nem, na seleção brasileira.

O Figueirense também entrou em campo com muitos desfalques. Foram seis ao todo, incluindo o goleiro Wilson: Léo, Botti, Niell, Aloísio e Héber completam a lista. Com a vitória na estreia, o time catarinense chegou aos quatro pontos na tabela. Na próxima rodada, visitará o Corinthians, no Pacaembu, no dia 7.

O JOGO – O próprio técnico Abel Braga cumpriu gancho e o Fluminense foi comandado pelo auxiliar Leomir de Souza. No segundo tempo, Marcos Júnior sentiu contusão e pode ser mais um na lista de contundidos. Mesmo desfalcado, o Fluminense abriu o marcador com uma boa atuação nos minutos inicias. Depois de duas boas chances, Marcos Júnior aproveitou a sobra e achou o canto direito de Ricardo.

O gol, aos 17 minutos, levou os anfitriões a pisarem no freio na tentativa de administrar a vantagem. A tarefa ficou mais difícil quando o jovem Wallace, substituto de Bruno, foi expulso, aos 41 minutos. “Ficar com um a menos atrapalha. O Wallace estava bem, mas cometeu duas faltas desnecessárias. Faltou um pouco de calma”, comentou Thiago Neves, sobre o garoto de 18 anos.

“Com o Fernandes no lugar do Toró a gente adianta o time, dá mais criatividade ao meio de campo”, analisou o volante Túlio, em referência à troca feita pelo técnico Argel no intervalo. Em resposta, Abel sacou Samuel e lançou seu filho Fábio Braga para recompor a defesa.

Demorou 13 minutos para Túlio encontrar espaço entre os volantes e tocar para Caio, o botafoguense emprestado ao Figueirense, empatar na marca do pênalti. Mas aos 21, mesmo com o Tricolor em situação difícil na partida, Wagner recebeu de Marcos Júnior e tocou na saída de Ricardo: 2 a 1. O primeiro do meia desde sua chegada ao clube, no início do ano. Júnior se machucou no lance e foi substituído por Matheus Carvalho.

Mesmo com toda a luta tricolor, o Figueirense conseguiu novo empate em chute mascado de Pablo que desviou em Wagner e matou Diego Cavalieri. Após ceder novo empate, o Fluminense se segurou na defesa para evitar a virada catarinense. E só conseguiu graças ao goleiro, que fez duas grandes defesas nos minutos finais, em cobrança de falta violenta de Júlio César e em chute contra de Gum.

FICHA TÉCNICA:

FLUMINENSE 2 x 2 FIGUEIRENSE

FLUMINENSE – Diego Cavalieri; Wallace, Gum, Anderson e Carlinhos; Edinho, Jean, Wagner (Lanzini) e Thiago Neves; Marcos Júnior (Mateus Carvalho) e Samuel (Fábio Braga). Técnico: Abel Braga.

FIGUEIRENSE – Ricardo; Pablo, Ignacio Canuto (João Paulo), Sandro e Guilherme Santos; Ygor, Túlio, Toró (Fernandes) e Roni; Júlio César e Caio (Luis Fernando). Técnico: Argel Fucks.

GOLS – Marcos Júnior, aos 17 minutos do primeiro tempo. Caio, aos 13, Wagner, aos 21, e Pablo, aos 30 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Jean; Toró, Ignacio Canuto, Sandro, Guilherme.

CARTÃO VERMELHO – Wallace.

ÁRBITRO – Nielson Nogueira Dias (PE).

RENDA E PÚBLICO – Não disponíveis.

LOCAL – Estádio Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ).