Com aval do presidente Roberto de Andrade para escalar o time que quiser e até poupar jogadores nesta quinta-feira, às 22 horas, contra o San Lorenzo, pela Copa Libertadores, ou no domingo diante do Palmeiras, pela semifinal do Campeonato Paulista, Tite escolheu a partida pela competição continental como prioridade total. Por isso, o treinador vai escalar o que tem de melhor contra os argentinos, no estádio Itaquerão, em São Paulo, e deixar o rival estadual em segundo plano.

Os únicos titulares que não estarão em campo são Guerrero (com dengue) e Fábio Santos (se recuperando de cirurgia). Como o tempo de recuperação até domingo é considerado curto demais, é certo que alguns atletas que jogarão nesta quinta-feira ganharão descanso contra o Palmeiras. Um desfalque para domingo está definido: Emerson terá de cumprir suspensão na semifinal do Paulistão.

Também deverão ficar de fora do clássico nomes como o meia Renato Augusto e o volante Elias. O temor da comissão técnica é que os jogadores que estão mais desgastados possam sofrer lesões musculares. “Dirigentes, técnico e fisiologista precisam fazer o que é importante para o clube. O que é mais importante para o Corinthians agora? Buscar a classificação na Libertadores. Depois? Depois conversamos de novo”, disse o treinador.

A torcida também deu a sua demonstração de que a Libertadores é especial, mesmo em semana de clássico contra o maior rival. Até esta quarta-feira já haviam sido vendidos 38 mil ingressos para a partida contra o San Lorenzo e a expectativa é de quebra de recorde de público no Itaquerão. A melhor marca da arena depois da Copa do Mundo foi contra o São Paulo, no primeiro jogo da fase de grupos, quando 38.487 torcedores acompanharam a vitória por 2 a 0. Os ingressos para o clássico de domingo já estão disponíveis, mas ainda não foi divulgada a primeira parcial de vendas.

O Corinthians lidera o Grupo 2, porém o objetivo de Tite é avançar para as oitavas de final com a melhor pontuação possível para enfrentar na próxima fase um adversário teoricamente mais fraco e ainda fazer sempre o segundo jogo no Itaquerão, até a final. “A vantagem não determina se você vai passar, mas qualquer vantagem é melhor. A gente luta para ter essas vantagens. Não são determinantes, mas vamos trazer para nós. Essa é a ideia”, explicou Tite.

Após passar apuros na vitória por 1 a 0 contra o San Lorenzo, em Buenos Aires – o próprio Tite admitiu que o resultado mais justo seria o empate -, o treinador espera que nesta quinta-feira o seu time fique mais tempo com a bola para não dar campo de jogo ao adversário. “Temos de ter posse de bola e contundência para criar oportunidades reais de gol”, disse. Outra preocupação é com as jogadas de bola parada.