Fossem apenas os clubes a decidir a tabela das quartas-de-final do Campeonato Paranaense, já estaria tudo decidido. Mas a Polícia Militar também estava participando da reunião de ontem na Federação Paranaense de Futebol – e também há a conferência da ONU sobre biossegurança e biodiversidade, que acontece em Curitiba, começa no domingo e termina na outra semana. A imposição da PM deixou a FPF sem chances de confirmar a tabela completa, saindo apenas os jogos do fim de semana.

A segunda fase começa no sábado, com o jogo entre Londrina e Rio Branco, às 16h, no estádio do Café – a opção do Tubarão foi para não ?concorrer? com o Campeonato Paulista na televisão. No domingo, a Adap recebe o Atlético às 15h30 no Roberto Brzezinski, jogo que terá transmissão da CNT. No mesmo horário, jogam no Emílio Gomes Iraty e Paraná Clube. Fechando os jogos de ida, J. Malucelli e Coritiba jogam no Pinheirão às 16h. Até aí, tudo bem – apesar do Atlético ter tentado negociar com a Adap um outro horário, por causa do calor.

O problema veio quando começou a negociação para os jogos da volta. O Paraná Clube pediu a antecipação de sua partida para sábado (dia 18), o que poderia atrapalhar o Iraty, que tem confronto da Copa do Brasil contra o Vasco. Pelo mesmo motivo (com o diferencial da possibilidade de viajar a Volta Redonda no meio da semana), o Atlético anunciou que queria jogar no domingo (dia 19). O Coritiba também jogaria no domingo, pois sua partida será a transmitida pela TV.

Neste momento entrou na história o major Dabul, representante da Polícia Militar. Segundo ele, a realização da conferência da ONU em Curitiba impede a realização de dois jogos no dia 19 – seja no horário que for. ?Nós temos um evento para três mil pessoas no Jardim Botânico, e não temos condição de dar segurança a dois jogos. Enquanto o comportamento das torcidas for este que temos hoje, precisamos de muito policiamento nos estádios?, explicou.

O major não abriu espaço para qualquer negociação. Restou ao presidente da FPF, Onaireves Moura, conversar com a CBF – e o diretor técnico da entidade, Virgílio Elísio, deixou a situação em suspenso. ?Ele me afirmou que não há nada marcado da segunda fase da Copa do Brasil. O melhor que temos que fazer é aguardar, porque precisamos adequar os horários aos clubes, mas precisamos respeitar a Polícia Militar?, afirmou.

Assim, a Federação espera o anúncio oficial da segunda fase da Copa do Brasil, que deve acontecer amanhã, consulta os clubes e anuncia na segunda os horários dos jogos de volta das quartas-de-final do Paranaense. A PM quer dois jogos no sábado e um no domingo. ?A gente entende a preocupação da polícia. Vamos esperar a posição da CBF?, disse o diretor do Atlético, Mauro Holzmann. ?São motivos sérios. Temos um evento muito grande em Curitiba?, concordou o superintendente do Coritiba Walter Alves. ?Sabendo disso, nós previamente pedimos a antecipação de nosso jogo. O Paraná Clube está fora da polêmica?, resumiu o vice de futebol tricolor José Domingos.