São Paulo – Como presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman se dispõe a intermediar tentativa de acordo entre Gerasime ?Grego? Bozikis, o presidente da Confederação Brasileira de Basquete, e Oscar Schmidt, presidente da Nossa Liga. Fez a oferta a Grego, mas ficou sem resposta.

A crise com a gestão de Grego está afundando cada vez mais o basquete. Sem mencionar clubes e o Campeonato Nacional – com campeão que será decidido via Justiça – com relação apenas às seleções também há vários problemas. A masculina parte para o Mundial do Japão com início no dia 19 sem Nenê Hilário, por exemplo. Pivô dos Nuggets da NBA, justificou seu pedido de dispensa com recuperação de lesão, mas já havia deixado claro que não integraria o time enquanto Grego estivesse na CBB. O país já não disputou duas Olimpíadas por não conseguir se classificar.

No caso da feminina, a situação é ainda pior, em termos de campeonatos internos – equipes e torneios cada vez mais esvaziados. A maioria absoluta das jogadoras está no exterior. E sob esse total descaso por parte da CBB, São Paulo (Ibirapuera) e Barueri sediarão o mundial em setembro.