O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) informou nesta sexta-feira, que enviou uma carta à Associação Internacional de Boxe (AIBA) para solicitar a revisão do resultado da final olímpica da categoria até 75kg entre o brasileiro Esquiva Falcão e o japonês Ryota Murata, na qual o árbitro polonês Mariusz Gorn reconheceu que prejudicou Esquiva com uma punição exagerada.

Esquiva Falcão perdeu a final no dia 11 de agosto por 14 a 13, em um combate definido apenas no terceiro e último round.

Após os dois primeiros, o capixaba perdia por um ponto de diferença, mas, apesar de ter sido superior no último assalto, foi penalizado por Gorn com a perda de dois pontos por agarrar seu oponente.

A punição permitiu ao japonês ficar com a medalha de ouro e deixou o brasileiro com a prata.

O COB se baseou em informações de bastidores que apontaram que o árbitro polonês admitiu ter penalizado o boxeador brasileiro de forma exagerada.

O árbitro brasileiro Jones Kennedy afirmou em entrevista que, após o combate, seu colega disse que não pensava que Falcão seria tão prejudicado por sua punição.

“Tudo indica que houve um erro de interpretação do árbitro. Por isso pedimos que a Associação Internacional de Boxe revise o resultado final do combate”, comentou o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman.

“O COB tem a obrigação de lutar pelos interesses dos atletas brasileiros”, encerrou Nuzman.