Foto: Arquivo/O Estado

O Paranavaí ficou seis jogos se vencer no segundo turno do Campeonato Paranaense.

Para seis times do futebol paranaense, a temporada 2006 está encerrada. A não ser que sejam convidados para disputar vagas na Série C (o que dificilmente vai acontecer, pois a Federação Paranaense de Futebol vai adotar o critério técnico), Roma, União Bandeirante, Nacional, Galo Maringá, Cianorte e Paranavaí não tem nenhuma competição em vista. Para os clubes, é a hora de pensar na garotada. Para jogadores e técnicos, começou o período de busca por uma nova equipe para o segundo semestre.

Em Cianorte, a eliminação na última rodada (com uma goleada imposta pelo Atlético) não foi bem digerida. Alguns jogadores saíram vaiados e xingados pelos torcedores, que esperavam a presença nas quartas-de-final. O Leão do Vale do Ivaí, entretanto, mostrou bons jogadores, como os meias Emanoel e Nikimba, o centroavante Leandro Temporim e o lateral Daniel Marques, que fez o quarto Paranaense em clubes do interior (um pelo ACP, um pelo Galo e dois pelo Cianorte).

Daniel fez sete gols no Paranaense, e espera que desta vez, enfim, consiga uma vaga em um dos grandes da capital. ?Até hoje não entendo porque nenhum time de Curitiba o contratou?, diz o técnico Gílson Kleina, que tem propostas de clubes do interior paulista. O Cianorte interrompe os trabalhos do elenco profissional e passa a visar a Copa Tribuna, na qual é um dos favoritos.

Mesmo objetivo tem o Nacional de Rolândia, que se garantiu na Série Ouro na última rodada – e contando com a ajuda do Rio Branco, que venceu o Francisco Beltrão. Nem seria necessário tentar a impugnação do jogo com o Leão da Estradinha, mas mesmo assim o NAC foi ao Tribunal de Justiça Desportiva.

Com a resposta negativa (unânime, por sinal) dos auditores, o clube encerrou a temporada profissional e se volta totalmente para a competição júnior. ?Sabemos que temos uma equipe forte, que tem condições de brigar de igual para igual com qualquer time do Estado. Por isso, sonhamos com uma boa colocação na Copa Tribuna?, ressaltou o presidente José Danilson de Oliveira.

Já o Galo Maringá está fazendo o inevitável processo de liberação dos jogadores e do técnico Ivair Cenci. Os que pertencem ao clube, como César Gaúcho, Batata, Mirandinha e Renatinho, serão emprestados (os três primeiros para o Oeste de Itápolis, o último para o América de Natal). Os que não eram do Galo foram simplesmente dispensados, como Kullman (que vai jogar a Divisão de Acesso pelo Cascavel), João Daniel e Dan.

Em Paranavaí, onde o assunto agora também é a Copa Tribuna de Juniores, ainda se lamenta o mau rendimento das últimas rodadas, quando o ACP perdeu a classificação – no mesmo momento em que Paraná Clube e Coritiba subiam de produção.

Foram seis jogos sem vencer no segundo turno, e apenas uma vitória em sete partidas no Estádio Waldemiro Wagner. Os destaques da equipe, como Márcio Vieira, Ethiê, Tiago e Cahê, tentam encontrar espaço no interior paulista. Para muitos, a opção pode estar na própria cidade, pois o Paranavaí Atlético Clube (PAC) vai disputar a segundona paranaense.

Outro time que ainda está reclamando da sorte é o Roma Apucarana, que chegou a ficar invicto por sete rodadas, mas perdeu pontos em jogos decisivos (derrota para o Toledo em casa e um empate com o Coxa no Couto Pereira). O Roma também pára seu departamento de futebol, preferindo observar revelações em campeonatos de juniores.

E o União tenta reverter a pena de R$ 50 mil por conta da confusão no empate (2 a 2) com o Paraná. Maurício e Neném pegaram 120 dias de ?gancho? no TJD. Caso a multa seja confirmada, o futuro do time de Bandeirantes é incerto.