Em meio a tantos confrontos decisivos, um jogo chama a atenção. Mas por um fato curioso. O clássico entre Paraná e Atlético, que, na teoria, seria o duelo mais importante da rodada, pode se tornar o menos atrativo, justamente pelo fato de que os rivais podem fazer um ‘acordo’ que benefeciaria os dois lados. Basta um empate para que as duas equipes confirmem a classificação para a próxima fase, independentemente das outras partidas.

Por outro lado, o empate pode dificultar o caminho dos clubes na sequência da competição. Isto porque, além de Furacão e Tricolor poderem cair em um lado das chaves mais complicado, podem se enfrentar logo nas quartas de final do Estadual, se reencontrando na outra semana.

Além disso, vale lembrar que para a fase mata-mata, a pontuação final de cada time segue sendo somada. O chaveamento não muda de acordo com os resultados nas fases seguintes. Os oito classificados se enfrentam da seguinte forma: 1º x 8º, 4º x 5º, 2º x 7º e 3º x 6º, sendo que os vencedores dos dois primeiros confrontos jogam entre si na semifinal. A mesma forma acontece com os dois últimos duelos.

Ou seja, as equipes não vão ter suas posições modificadas, mas cada vitória pode interferir diretamente no mando de campo. Nas quartas de final, os quatro primeiros colocados da primeira fase fazem o segundo jogo dentro de casa. No entanto, isto não significa que o primeiro geral faça a grande final diante de sua torcida.

Se o Estadual terminasse agora, o Coritiba seria o primeiro colocado e o Maringá o segundo, separados por apenas um ponto. Porém, se o Coxa somar quatro pontos nas quartas e o Maringá seis, a equipe do interior passaria na soma total de pontos e, caso os dois cheguem à final, a decisão seria no Willie Davids.