As autoridades chinesas lançaram uma campanha para frear a revenda de entradas para as diferentes atrações nos Jogos de Pequim, esgotadas desde o dia 27 de julho, e para isso aplicará penas de até 15 dias de prisão.

“Tenho quatro entradas para a final dos 110 metros com barreira no Ninho de Pássaro. Caso se interessem me contatem”, publicou um revendedor na Internet, onde prosperou o mercado negro destinado, sobretudo, ao público ocidental.

As autoridades chinesas informaram que até o momento foram detidos cerca de uma centena de revendedores, que além de prisão serão aplicadas multas e outras sanções.

A campanha contra os revendedores será dura porque muitos o fazem por meio da rede (www.thebeijinger.com), muito freqüentada pela comunidade estrangeira de Pequim. Com, somente, a palavra “tickets” no buscador encontram-se centenas de anúncios de ingressos para todas as modalidades.

A imprensa chinesa informou que algumas entradas são vendidas a preços astronômicos e em certos casos chega-se a pagar até 20.000 euros (aproximadamente 210.000 yuanes).

Na realidade, navegando pela rede e contatando por telefone os vendedores, é possível comprar também a preços muito baixos.

Por exemplo, um ingresso para entrar no Estádio Nacional de Pequim no dia da final dos 110 metros com barreira, na qual os chineses esperam o triunfo do ídolo Liu Xiang, era oferecido somente 190 euros (2.000 yuanes).

Para a final dos 100 metros rasos, a qual competirão os jamaicanos Asafa Powell e Usain Bolt e o norte-americano Tyson Gay, há quem peça 470 euros, mas sempre há margem para negociar.

Por um preço parecido são oferecidas entradas para ver em ação o “Dream Team” norte-americano de basquete, esporte amado pela República Popular, especialmente desde que Yao Ming, porta-bandeira da China na cerimônia de abertura, estreou na NBA.

Mas caso se trate de um esporte menos procurado, os preços decaem sensivelmente. Só é preciso contatar um jovem chinês que pôs a venda um bilhete para as quartas-de-final do Torneio de waterpolo, cujo valor está por volta de 65 euros, um preço mais que acessível.

Quando se trata de eliminatórias das diferentes modalidades, os valores caem bastante, com preços que vão de três a 18 euros e que atingem 95 euros nas finais.

Os jornais também colocaram em alerta os estrangeiros sobre o risco de comprar bilhetes falsos, mas o temor não colocou freio no mercado negro.

Impossível qualquer manobra para conseguir uma entrada à cerimônia inaugural pela manhã, já que devem estar registrados eletronicamente os dados do comprador, operação que podia ser realizada nas unidades do Banco da China, mas que foi interrompida faz mais ou menos um mês.