Cheio de reservas, o Atlético Mineiro vai estrear na Copa Sul-Americana tentando demonstrar que leva a competição a sério. Nesta terça-feira, às 21h30 (horário de Brasília) e em meio a uma série de compromissos por outras competições, o time vai encarar o chileno Unión La Calera, no Estádio Nicolás Chahuán.

Após decepcionar na Copa Libertadores, sendo eliminado com uma rodada de antecedência na fase de grupos, o Atlético-MG conseguiu uma consolação: a vaga na segunda fase da Sul-Americana, por ter sido o terceiro colocado da chave E. Assim, disputará duas competições continentais em um ano.

A Sul-Americana, porém, não parece ser a prioridade do clube neste momento, tanto que o Atlético-MG vai atuar no Chile sem oito dos seus principais atletas, algo também visto como necessário pelo setor de fisiologia do clube em função do desgaste físico provocado por uma sequência que chegará aos 16 jogos disputados em oito semanas, maratona que só se encerrará com a pausa das competições para a realização da Copa América.

Assim, poupar atletas nessa sequência se tornou uma decisão até natural, embora o clube precise, um ano depois, conviver com a memória das polêmicas declarações do presidente Sergio Sette Câmara, que desdenhou da Sul-Americana quando o Atlético-MG foi eliminado, em 2018, na primeira fase da competição pelo San Lorenzo.

Nesta terça-feira, por decisão da comissão técnica, o Atlético-MG vai poupar o goleiro Victor, o volante José Welison, o meia Cazares, o meia-atacante Luan e o atacante Ricardo Oliveira. E os outros desfalques serão o zagueiro Réver, que teve constatada uma fratura no nariz, sofrida na partida do fim de semana contra o Flamengo, além do lateral-esquerdo Fábio Santos e do atacante Geuvânio, que já haviam ficado de fora do compromisso do fim de semana por problemas físicos.

Com isso, o Atlético-MG vai encarar o Unión La Calera com uma formação recheada de reservas. O alento para o clube e seu torcedor é que a vaga na Sul-Americana também foi assegurada com uma formação cheia de suplentes, na Venezuela, pela rodada final da fase de grupos, tendo derrotado o Zamora por 2 a 1.

A formação que o técnico interino Rodrigo Santana vai colocar em campo contará com a presença do jovem centroavante Alerrandro, autor dos gols no triunfo na Venezuela, mas também com jogadores experimentados, como o zagueiro Leonardo Silva e o meio-campista Elias, além do lateral-direito Guga, recém-convocado para a seleção olímpica.

“Vamos em busca de um grande jogo, trazer um bom resultado para casa. É importante, Sul-Americana temos que valorizar, independentemente de ser o segundo campeonato do continente. Dá vaga direta pra Libertadores, você disputa a Recopa e título é sempre bom”, disse Elias.

Enfrentar um adversário brasileiro na Sul-Americana não é novidade para o Unión La Calera. Afinal, o time chileno estreou nesta edição do torneio contra a Chapecoense, a eliminado após empates por 0 a 0, em casa, e 1 a 1, na Arena Condá, avançando graças ao gol marcado como visitante.

Em seu último compromisso, na sexta-feira, perdeu por 2 a 1 para o Unión Española, em casa, pelo Campeonato Chileno, resultado que o deixou na quinta posição. O time, que participa pela primeira vez de um torneio continental, é dirigido pelo argentino Francisco Meneghini, de apenas 30 anos, que trabalhou com Jorge Sampaoli na seleção chilena.

Quem avançar em Unión La Calera x Atlético-MG enfrentará o vencedor da série entre o paraguaio Sol de América e Botafogo nas oitavas de final da Sul-Americana.