atletico130305.jpg

Casemiro preocupou-se com o fraco rendimento ofensivo contra
o América de Cali.

Os dias que antecederão o jogo entre Atlético e Londrina, quarta, às 19h, no Joaquim Américo, vão dar o tom da participação rubro-negra não só no campeonato paranaense, mas principalmente no segundo turno da Copa Libertadores. O time que entrar em campo para enfrentar o Tubarão será a base do Furacão para os confrontos com América de Cáli, Libertad e Independiente de Medellín.

O técnico Casemiro Mior não confirmou, mas abriu brechas para possíveis alterações. As entradas de Danilo, Fabrício e Aloísio nos lugares de Cocito, Rodrigo Souto e Denis Marques encaminha para um sistema com três zagueiros mais ‘comum’, tentando fazer com que a equipe retome o estilo que deu certo no Brasileiro do ano passado – muita velocidade, firmeza na marcação e jogo de referência.

Casemiro preocupou-se com o fraco rendimento ofensivo contra o América, na quinta-feira, e também pela "ausência" de Lima e Denis, que mais eram armadores que jogadores de frente. Por isso ele volta a planejar um ataque com o centroavante Aloísio (um jogador de referência, tal como Washington em 2004) e o rápido Maciel, pelo menos enquanto Dagoberto não estiver recuperado.

No meio-de-campo, a intenção do treinador é aumentar a criatividade. Fernandinho ficou isolado, Rodrigo Souto não está rendendo e Alan Bahia acaba sobrecarregado. A entrada de Fabrício, que está em seu melhor momento desde que chegou ao Atlético, pode melhorar o passe e criar novas opções nas bolas paradas. Outro jogador que ganha espaço com as novas ‘diretrizes’ de Casemiro é Ticão, que é um volante com boa saída de jogo.

E na defesa a idéia é posicionar mais um jogador de ofício – no caso, Danilo, que chegou do interior paulista precedido de cartaz. A improvisação de Cocito como líbero fracassou, e o volante deverá ficar a a partir de agora como suplente de Alan Bahia. (CT)