Agência Brasil/Divulgação
Ministro dos Esportes, Orlando Silva, fala aos dirigentes de clubes.

O presidente do Paraná Clube, José Carlos de Miranda, engajado na defesa da criação da Timemania (a loteria dos clubes) desde o início, esteve ontem em Brasília, acompanhando mais uma rodada de negociações para a aprovação do projeto. Também participaram do encontro o presidente do conselho deliberativo do Atlético, Mário Celso Petraglia, além dos deputados paranaenses Max Rosenmann e Reinhold Stephanes.

Vários presidentes de clubes, inclusive das séries B e C, estiveram na reunião com deputados, na Câmara, além do ministro dos Esportes, Orlando Silva e o ex-Agnelo Queiroz, que iniciou o movimento. Em seguida, a comissão foi até o presidente da casa, Aldo Rebelo, levar as aspirações dos clubes que, juntos, devem cerca de R$ 1,2 bilhão em impostos federais. A Timemania já foi votada na Câmara e no Senado, mas faltam passar pelos deputados seis emendas.

Segundo disse o presidente Aldo Rebelo, é consenso entre as lideranças que a Timemania será aprovada, mas sete medidas provisórias estão obstruindo a votação. A mais complicada é a do aumento dos aposentados, onde o governo oferece 5%, mas há uma corrente querendo 16%. Nos próximos dias 3, 4 e 5 haverá o chamado ?esforço concentrado? para estas votações e então o projeto da loteria dos clubes deverá ser encaminhado para votação, provavelmente no ?esforço concentrado? de setembro.

Passando pela Câmara, ele seguirá para a sanção do presidente Lula. Se não for isto, ficará para o próximo governo, atrasando o lançamento das apostas. Ontem, executivos da Caixa Econômica Federal também foram procurados pelos cartolas.

Uma das mudanças introduzidas pelo deputado Moreira Franco permitirá aos órgãos e entidades credores pedir a revisão da proporção pela qual os recursos serão divididos entre os clubes.

Na versão original, só os clubes podiam pedir essa revisão.