Políticos e dirigentes canadenses viajaram nesta quarta-feira (22) para Londres, na última tentativa de salvar o GP do Canadá de Fórmula 1. Eles conversarão com o inglês Bernie Ecclestone, detentor dos direitos comerciais da categoria, a fim de recolocar a etapa de Montreal no calendário de 2009.

O GP canadense foi excluído da lista de corridas do próximo ano, sob alegação de não ter honrado compromissos comerciais com a FOM – empresa de Ecclestone que coordena as relações contratuais com os organizadores das provas.

Os canadenses negam ter dívidas com o inglês, mas admitiram que houve discordância financeira com relação à corrida deste ano. O governo de Quebec ofereceu ajuda aos organizadores na tentativa de recolocar a prova na rota do Mundial. Estima-se que o evento renda US$ 75 milhões (R$ 165 milhões) à economia local.

Caso os canadenses não consigam reverter a situação, o Mundial de 2009 será o primeiro desde o início da Fórmula 1, em 1950, sem uma etapa na América do Norte.