Cada judoca brasileiro que entrar no tatame da Arena Olímpica do Rio, nesta sexta-feira, a partir das 11 horas, terá uma missão diferente. Ao todo, serão quatro atletas do Brasil em ação no segundo dia de disputa da 25ª edição do Campeonato Mundial de Judô.

O meio-médio Tiago Camilo é um dos grandes favoritos da competição. Medalha de ouro no Pan do Rio, após apenas 1 minuto e 59 segundos de combate em todas suas lutas no torneio, o judoca paulista que treina na Sogipa, no Rio Grande do Sul, disse que chegou a hora de "dar o máximo" para subir ao pódio do Mundial.

"O nível do Pan não se compara com o Mundial, mas acho que também estarei melhor desta vez", afirmou Tiago Camilo, que também foi medalha de prata na Olimpíada de Sydney, em 2000.

De volta à sua categoria, depois de lutar no peso médio no Pan do Rio, Tiago Camilo deu sorte no sorteio da chave e não deverá ter problemas nas duas primeiras lutas. Sua estréia será contra Fiderd Vis, de Aruba.

Já Carlos Honorato quer mostrar no Mundial que possui poder de recuperação. Depois de também conquistar a medalha de prata olímpica em Sydney, ele mostra entusiasmo para apagar da mente o fiasco nos Jogos de Atenas, há três anos. "Eu me sinto forte e rápido. Estou no melhor da forma", avisou o judoca da categoria peso médio.

Carlos Honorato não disputou o Pan do Rio por estar fora de forma física – foi substituído por Tiago Camilo. Ficou treinando exclusivamente para o Mundial, em que irá estrear diante do iraniano Wossen Ghomi. Se vencer a primeira luta, ele terá pela frente o japonês Hiroshi Izumi.

Feminino

Aos 16 anos de idade, Mayra Aguiar tem como projeto mostrar no Mundial que merece o apelido de "garota prodígio" do judô brasileiro. Ainda como faixa marrom (uma antes da preta), a gaúcha, que treina com Tiago Camilo e o campeão mundial João Derly, foi medalha de prata no Pan do Rio.

"Sei que o Mundial é muito difícil, mas a idade não é problema. A Danielle (Zangrando) ficou em terceiro no Mundial de Tóquio, em 1995, com a minha idade", lembrou Mayra Aguiar, terá a polonesa Katarzyna Pilocik como adversária na primeira luta.

Já Danielli Yuri entra como franco-atiradora na disputa do Mundial – não está entre os favoritos, mas espera surpreender. E não dispensa dois amuletos: a companhia do seu gato de pelúcia e a nota de 500 ienes, dada por seu primeiro técnico no judô. "O mais importante é estar tranqüila para lutar o melhor possível", disse a brasileira, que enfrentará a austríaca Claudia Heill na estréia.