São Paulo – Cacá Bueno começou a temporada de 2005 da Stock Car com um resultado importante, ao vencer a corrida de Interlagos, ontem, superando o campeão de 2004, Giuliano Losacco. O resultado foi o mesmo da abertura do ano passado, em Curitiba, quando Cacá cruzou a linha de chegada na frente de Losacco. Mas, na ocasião, acabou desclassificado. ?É ótimo ganhar aqui em Interlagos. Esta é uma prova especial. E além disso, na abertura do campeonato?, disse o piloto, filho do narrador Galvão Bueno, da Rede Globo. Foi a oitava vitória de Cacá na Stock e a segunda que conquista em Interlagos.

A conquista de Cacá Bueno começou quando Hoover Orsi, com o motor falhando, passou a perder rendimento, deixando a ponta e a corrida. Hoover teve um ótimo final de semana, quando cravou a pole position no sábado. Ontem, largou na frente e logo abriu boa vantagem sobre os demais pilotos. Na 12.ª volta, Cacá assumiu a ponta. Depois da entrada do safety car, na volta seguinte, Cacá perdeu a liderança para Giuliano, mas recuperou a posição pouco depois para mantê-la até o final.

Hoover não foi o único piloto a reclamar de falha no motor. Para Giancarlo Greco, diretor-geral da equipe Eurofarma, de Luciano Burti, o problema pode estar relacionado com a mudança de combustível. ?Nos testes, a diferença de tempo entre um combustível e outro já chegava a um segundo. Essa é uma possibilidade real?, explicou. Burti chegou em 3.º, mas reclamou que o motor também já estava falhando nas últimas voltas.

Entre as diversas batidas, que tiraram da prova pilotos como Chico Serra, Felipe Maluhy e Carlos Alves, a que provocou mais discussão foi a que envolveu Tiago Camilo e David Muffato. Tiago ficou com o carro atravessado na pista e levou uma volta até que fosse resgatado, apesar do perigo.

?Foi um grande absurdo?

 Na volta seguinte, o resgate não conseguiu tirá-lo do local e ele já estava sem cinto de segurança. ?Isso foi um grande absurdo. Felizmente ninguém se chocou. Mas meu carro chegou a ser tocado por três carros que passaram ali?, disse Camilo, que reclamou muito com os bandeirinhas.

Os 40 carros que participaram da prova – número bem acima das provas habituais do automobilismo nacional – provocaram diversos acidentes. Além disso, a pista estava úmida, com uma única trilha seca. Por isso os 20 pilotos que conseguiram completar as 27 voltas comemoraram muito.

O piloto Beto Giorgi, da equipe Cisne JF/Racing, sétimo colocado, foi responsável pelo maior número de ultrapassagens: 27. Em seguida vieram Juliano Moro, 8.º colocado, com 20 ultrapassagens, e Wagner Ebrahim, 10.º, com 18.

Na Stock Light, o vencedor foi Luís Felipe Gama, da Escuderia Lobo, depois de 16 voltas, deixando Daniel Landi em segundo lugar.