Em um jogo de lances improváveis, o brasileiro Bruno Soares e o austríaco Alexander Peya venceram Horacio Zeballos e Oliver Marach por 2 sets a 1, parciais de 6/3, 7/6 (10/8) e 12/10, e se garantiram na final do Brasil Open. Para o mineiro, que disputa sua terceira decisão consecutiva, o resultado veio na “raça”

“Essa quadra envolve um pouco de sorte e ela ficou muito para o lado deles, com umas dez bolas na linha seguidas. Tem dia que tem que ser na raça, e hoje (sexta) foi assim, ganhamos no grito. Foi muito legal ver a quadra cheia, se fosse como ontem (quinta), mais quietão, a coisa desandaria mais”, afirmou.

Depois de reclamar por ter feito todos os jogos nas quadras auxiliares no Ginásio Mauro Pinheiro diante de poucos torcedores, a dupla finalista garantiu o “passaporte” para jogar na quadra central do Ibirapuera, em São Paulo. A final será realizada neste domingo, às 11 horas. “Agora tem de treinar, porque faz uma semana que não piso na quadra central, estou sempre lá no fundão”, disse.

Os adversários da final serão conhecidos apenas neste sábado, já que a outra metade da chave está com a programação atrasada por causa da interdição da quadra 2. De qualquer maneira, não há mais chance de ser uma final entre brasileiros.

A dupla formada por Thomaz Bellucci e João Souza, o Feijão, foi derrotada pelos italianos Simone Bolelli e Fabio Fognini por 2 sets a 0, com parciais de 6/4 e 7/6 (7/4), e se despediu da competição. Os europeus disputam a vaga na decisão contra o checo Frantisek Cermak e o eslovaco Michal Mertinak.