Aos 34 anos, o australiano Mark Bresciano está às vésperas de encerrar a sua história em Copa do Mundo. Presente em 2006, na Alemanha, e também em 2010, na África do Sul, o volante está desapontado por poder não participar da última partida da Austrália pelo Grupo B do Mundial no Brasil, nesta segunda-feira, contra a Espanha, por conta de uma lesão nas costas.

“A equipe médica foi brilhante e conseguiu me deixar pronto para os jogos. Mas quando você tem lesões, outros problemas começam a aparecer no decorrer das partidas”, disse o jogador do Al Gharafa, do Catar. “Vamos tentar fazer tudo que ainda for possível (jogar com a Espanha), mas parece que eu vou ficar de fora”, acrescentou Bresciano, explicando que no duelo contra os holandeses, na rodada anterior, já não estava se sentindo 100% bem.

Apesar de poder passar seus últimos minutos como jogador em um Mundial no banco de reservas e de não ter nenhuma grande conquista pela seleção, Bresciano se disse muito honrado pela sua trajetória. “Eu nunca tinha imaginado em jogar uma Copa do Mundo, porque a Austrália – pelo menos na minha infância – nunca jogava (a Copa)”, afirmou. “Então, você pode imaginar o quando significa jogar uma Copa. E eu tive a oportunidade de representar meu país em três mundiais. É o melhor sonho que já tive, ou que poderia ter”, concluiu.

Sem o destaque Tim Cahill e, provavelmente sem Bresciano, a Austrália cumpre tabela contra a também eliminada Espanha nesta segunda-feira. A partida está marcada para as 13 horas, na Arena da Baixada, em Curitiba.