Os jogadores brasileiros conhecem bem os croatas, pois vivem cruzando com boa parte deles nos campeonatos europeus. Há, porém, quem conheça alguns adversários desta quinta bem mais de perto, pois são ou foram companheiros de clubes deles. São os casos de Luiz Gustavo, Marcelo, Willian e Fernandinho, que têm boa convivência com jogadores que estarão do outro lado, nesta quinta-feira, no Itaquerão, na abertura da Copa do Mundo.

Luiz Gustavo, por exemplo, joga no Wolfsburg, time alemão com dois croatas, os atacantes Olic e Perisic. O veterano Olic, de 34 anos, inclusive, disse na última segunda-feira que enxerga falhas na defesa brasileira e que seu time sabe como explorá-las.

O volante brasileiro, no entanto, não deu muita importância ao comentário do companheiro de time. “Nós temos a melhor zaga do mundo, com o Thiago Silva e o David Luiz. Estamos bem servidos”, retrucou.

Ele reconhece, no entanto, que tanto Olic quanto Perisic são jogadores perigosos, mas prefere destacar outra qualidade do adversário desta quinta. “A Croácia tem um meio de campo que joga de maneira bastante ofensiva. E isso pode facilitar para nós na parte defensiva”.

O volante citou o meio-campista Luka Modric como um jogador superimportante da Croácia. E Marcelo, que conhece bem Modric, de quem é companheiro no Real Madrid, entende que não se pode descuidar um minuto sequer dele. “O Luka (Modric) é um grande jogador. Está em grande fase e é bastante perigoso.”

Outro perigo que o Brasil corre são as avançadas do lateral-direito croata, Darijo Srna. O alerta é de Fernandinho, que hoje está no Manchester City, mas jogou com Srna no Shakthar Donetsk, na Ucrânia.

“Ele apoia muito bem o ataque e é uma ótima saída para as jogadas ofensivas. Gosta sempre de estar no ataque”. Willian, que também jogou com Srna, define o colega como “um jogador bastante ofensivo e bastante eficiente”.

OS NATURALIZADOS – Fernandinho também foi companheiro dos brasileiros naturalizados croatas Eduardo da Silva (nos seus tempos de Shakthar) e Sammir (quando jogou no Atlético Paranaense). E alerta para a qualidade de ambos os jogadores. “O Eduardo é um finalizador nato, não perde oportunidade de gol, não bobeia. Acho que a gente precisa ter grande atenção com ele”, avisa. “O Sammir é mais jovem, se naturalizou e tem a chance de jogar uma Copa. É bom jogador”, acrescentou Fernandinho.

Mas pelo menos a Croácia não terá, nesta quinta-feira, seu principal jogador, o atacante Mandzukic. Ele está suspenso por ter sido expulso em partida da repescagem da eliminatória. Ótima notícia para o Brasil, garante Dante, companheiro do artilheiro no Bayern de Munique. “Ele vai fazer falta à Croácia, é um jogador difícil de ser substituído, porque briga bastante, encara forte os marcadores, é um goleador”, afirmou o zagueiro brasileiro.

Dante revelou que as conversas sobre os croatas na concentração brasileira são constantes. “O Marcelo sempre fala que o Modric tem bastante qualidade e que gosta muito de fazer viradas rápidas de jogo”, contou Dante.

“O Luiz Gustavo falou que o Perisic é bastante rápido e que joga bem com as duas pernas. Nós trocamos informações. Como trabalhamos com eles no dia a dia, conhecemos suas qualidades e seus defeitos.”

Dos defeitos dos croatas, porém, nenhum jogador brasileiro quis falar. Mas vão procurar, claro, explorá-los na estreia.