Depois de conquistar cinco medalhas no Mundial de Judô, a seleção brasileira feminina está na semifinal do Mundial por Equipes, competição à parte que acontece neste domingo, também no Maracanãzinho. Nesta manhã, as brasileiras venceram seus dois confrontos, diante de Alemanha e França. Agora disputará diante da China um lugar na final. No masculino, os homens foram surpreendidos pela Alemanha logo na estreia.

No Mundial por Equipes, são disputadas cinco categorias, na ordem: leve, meio-médio, médio, meio-pesado e pesado. Diferente do individual, não participam a categoria meio-leve (até 48kg para mulheres e até 60kg para homens) e o peso pesado é reduzido para mais de 70kg no feminino e mais de 90kg no masculino. São cinco lutas e cada uma delas vale um ponto.

O dia começou no Maracanãzinho com vitória tranquila do Brasil sobre a Alemanha no feminino, por 4 a 1. A primeira a conquistar um ponto para o País foi Erika Miranda, na categoria até 52 kg. Logo em seguida, Rafaela Silva, a dona do único ouro brasileiro neste Mundial, não deu chance para a adversária e, com uma postura bastante agressiva, fez 2 a 0 para o Brasil.

Os outros resultados positivos vieram com Maria Portela nos médios e com a peso pesado Maria Suelen Altheman (prata nas disputas individuais). A única atleta que saiu com saldo negativo foi Ketleyn Quadros, que é da categoria até 57kg, mas lutou entre as meio-médio, de até 63kg.

Depois, diante da França, Eleudis Valentim foi escalada no lugar de Erika Miranda, por decisão tática. A caçula do time aplicou um ippon logo no comecinho da luta, mas a mesa avaliou o vídeo e mudou a decisão para um wazari apenas. Ao fim de cinco minutos, foi o suficiente. Logo em seguida, com Rafaela Silva, a mesma coisa. Duas pontuações foram revistas para baixo, mas mesmo assim ela ganhou.

Mariana Silva entrou como representante do País na categoria até 63kg, a mais deficiente da equipe, e acabou derrotada. Maria Portela caiu na quarta luta e a disputa ficou empatada em 2 a 2.

No confronto decisivo, a equipe brasileira comemorou um ippon de Maria Suelen, quando ela estava atrás no placar, mas novamente a pontuação foi retirada, virando wazari. A pesado brasileira não se desconcentrou, continuou dominante, e colocou o País na semifinal.

HOMENS – No masculino, a esperança era por uma final, até porque a CBJ considerava a chave tranquila. Charles Chibana começou bem, vencendo, mas a derrota da Bruno Mendonça deixou tudo igual. Victor Penalber, que chegou ao Mundial do Rio como líder do ranking categoria até 81 kg, não decepcionou, venceu o adversário alemão e recolocou o Brasil na frente.

Com o machucado Tiago Camilo na torcida, Eduardo Bettoni foi o escolhido para lutar na categoria até 90kg (Eduardo Santos foi quem lutou a chave individual), mas também acabou derrotado.

Na última luta, confronto de gigantes para Rafael Silva, que ficou mais uma vez frente a frente com Andreas Toelzer, eliminado pelo peso pesado brasileiro nas semifinais, no sábado, Baby não conseguiu repetir o feito. Único homem a sair deste Mundial com uma medalha no peito, o brasileiro acabou perdendo para o alemão, colocando fim às chances de o País fechar a competição em casa com um bom resultado no masculino também.