A seleção brasileira masculina de polo aquático fez boa apresentação em sua segunda partida no Mundial de Esportes Aquáticos, disputado em Kazan, mas não conseguiu resistir à Croácia. Os atuais campeões olímpicos venceram nesta quarta-feira pelo apertado placar de 10 a 9.

Com o resultado, a seleção continua sem conquistar vitória em Kazan. Na estreia, empatou com a China por 9 a 9. Enquanto isso, a Croácia soma dois triunfos – venceu o Canadá por 12 a 7 na estreia. Para avançar na competição, o Brasil precisará vencer os canadenses, na sexta-feira, em sua última partida na fase de grupos. E torcer para a China não vencer a Croácia.

O time brasileiro, comandado pelo técnico croata Ratko Rudic, contou com boas atuações de Felipe Perrone e Josip Vrlic, responsáveis por dois gols cada. Bernardo Gomes, Jonas Crivella, Yves González, Adria Delgado contribuíram com um gol cada.

Neste ritmo, o Brasil resistiu bem aos campeões olímpicos, principalmente no primeiro e no último quarto. Em seu melhor momento na partida, a Croácia chegou a abrir 8 a 4 no início do terceiro quarto. Mas os brasileiros reagiram ao aproveitar erros do rival para encostar no placar. Nos instantes finais, estiveram perto do empate, o que seria uma “zebra” na competição.

“Estou muito contente porque o grupo demonstrou grande caráter e organização de jogo. Fizemos uma forte defesa e apesar de ter cometido alguns erros, nos esforçamos ao máximo em busca do resultado. Foi uma ótima demonstração do que podemos fazer no campeonato”, avaliou o treinador do time brasileiro.

Ratko Rudic projetou o confronto com o Canadá. “Conhecemos bem o Canadá e será uma partida muito difícil, de muito contato físico. Hoje, nós temos mais probabilidade de vitória, mas no esporte o que vale é dentro da água e palavras não ganham jogo”, declarou o técnico.

Foi a segunda partida da seleção de polo desde a polêmica envolvendo o goleiro reserva Thyê Mattos. Na semana passada, ele foi acusado de ter abusado sexualmente de uma canadense durante os Jogos Pan-Americanos de Toronto. O brasileiro já estava na Rússia quando autoridades canadenses revelaram a investigação. Ele acabou deixando Kazan e retornou ao País no último domingo.