Pablo Prigioni, armador da seleção argentina e do Real Madrid, disse que tanto sua equipe quanto a do Brasil, rivais na próxima terça-feira nas oitavas de final do Mundial de basquete da Turquia, “têm potencial para avançarem mais uma rodada”.

“Lamento que o confronto ocorra agora, porque acho que as duas equipes poderiam ir mais longe com facilidade. É o mesmo que aconteceu ontem com a Espanha e a Grécia e com o jogo entre Sérvia e a Croácia. O nível é muito parecido e obriga a jogos decisivos já nas oitavas”, afirmou Prigioni.

A importância da partida (contra o Brasil) é óbvia. “Agora não há margem de erro, quem perde vai para casa. Foi-se o tempo para especular e pensar em cruzamentos, agora é preciso jogar o melhor possível e ter aquela dose de sorte necessária para ganhar”, acrescenta o armador.

Depois de alguns problemas de última hora, o atleta acredita que a Argentina está melhorando seu jogo. “Agora, para nossa sorte, teremos Fabri para esse jogo, o que nos dá maior solidez defensiva e opções ofensivas. Tomara que possamos estar no nível máximo, é o nosso objetivo”, disse. Prigioni se mostrou otimista com a trajetória da Argentina no Mundial.