Em visita ao Brasil, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, mandou novamente o consultor de estádios da entidade, Charles Botta, para uma visita técnica ao canteiro de obras da Arena da Baixada, que aconteceu ontem de manhã e durou aproximadamente três horas. Diferentemente do que aconteceu nas outras oportunidades, quando o dirigente da Fifa fez exigências aos gestores da reforma do Joaquim Américo por causa do atraso nas obras, desta vez Botta elogiou o andamento acelerado das obras e principalmente o número satisfatório de operários que estão atuando no canteiro de obras do estádio atleticano.

“Foi uma visita marcada de última hora. O Charles Botta passou por todos os setores do estádio e depois fizemos uma reunião com ele. Foi uma visita super positiva e ele ficou muito satisfeito pela evolução que ele viu no estádio. Ele estava aliviado e disse com convicção que o estádio será entregue a tempo do prazo estipulado. Foi a primeira vez que ele sorriu por várias vezes e saiu entusiasmado pela primeira vez, principalmente pelo número de operários que estava trabalhando na obra e pela força tarefa que está sendo realizada na limpeza da Arena para o jogo teste”, frisou o coordenador geral para assuntos da Copa do Mundo do Estado, Mário Celso Cunha.

Valcke

O secretário municipal da Copa, Reginaldo Cordeiro, afirmou que Jérôme Valcke deverá visitar o estádio durante o mês que vem e que Charles Botta procurou saber detalhes sobre o quarto financiamento que o Atlético firmou com a Fomento Paraná para concluir o estádio a tempo do Mundial. “O Botta (Charles) ficou bem feliz e contente com a evolução que as obras tiveram. Ele perguntou sobre o último empréstimo e passamos a situação e que as primeiras parcelas devem sair nos próximos dias”, contou Cordeiro.

A primeira parcela do financiamento deve ser liberada pela Fomento Paraná ainda nesta semana, quando o contrato com a CAP S/A deve ser assinado. O banco estadual está buscando os recursos para capitalizar o Fundo de Desenvolvimento Econômico (FDE) para que o repasse das primeiras parcelas seja realizado. Assim, enquanto o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não libera o pedido feito pela Fomento Paraná para a obtenção de uma nova linha de crédito através do programa BNDES Estados, a instituição financeira estadual busca soluções internas para conseguir repassar o montante para o Atlético concluir o Joaquim Américo.