A luta contra o racismo no futebol foi debatida nesta sexta-feira, na sede da Fifa, em Zurique, onde o presidente da entidade, Joseph Blatter, cobrou a criação de propostas “concretas” para combater este problema. O dirigente discutiu este assunto em reunião com integrantes do Comitê Estratégico do organismo, órgão que é comandado pelo próprio cartola suíço e conta também com Michel Platini, presidente da Uefa, como integrante.

“Hoje (sexta), os membros do Comitê Estratégico demonstraram mais uma vez que a comunidade do futebol está unida em nossa política de tolerância zero contra o racismo e a manipulação de resultados”, afirmou Blatter, citando também o outro problema que tem preocupado bastante a Fifa, tendo em vista as séries de escândalos deflagradas nos últimos tempos com apostas ilegais.

As medidas para combater o racismo deverão ser deliberadas durante a próxima reunião do Comitê Executivo da Fifa, nos próximos dias 20 e 21 de março, e depois exibidas durante congresso da entidade, dois meses depois.

“Estou muito satisfeito com as ideias que foram debatidas hoje (sexta) e ansioso pelas deliberações do Comitê Executivo no mês que vem. O objetivo é apresentar propostas concretas ao congresso da Fifa nas Ilhas Maurício, em maio, além de punições rigorosas que tenham verdadeiro impacto”, completou Blatter.

Recentemente, o dirigente disse que o racismo deveria ser punido no futebol com sanções mais severas do que as praticadas atualmente, como por exemplo o rebaixamento de times envolvidos e perda de pontos nos campeonatos que os mesmos disputem.