São Paulo/Rio – O veleiro Quiricomba foi o grande vencedor da sétima edição da Regata Eldorado Brasilis, que tem até sexta-feira como prazo para acabar – são 2.336 quilômetros percorridos.

O barco do Rio de Janeiro, do capitão Carlos Acosta, cruzou a linha de chegada na segunda-feira, com oito dias de regata, totalizando 204h48min. O fita azul, já com tempo corrigido, garantiu o primeiro lugar entre as sete embarcações inscritas na regata.

Com o resultado, o Sorsa, campeão em 2004, mantém o recorde da Eldorado Brasilis com a marca de 174 horas. No início da noite de ontem, o Albatroz e o Nirvana deveriam chegar ao Yacht Clube de Vitória, no Espírito Santo. ?Para marinheiros de primeira viagem, estamos satisfeitos em levar o título de campeão na regata?, comentou Carlos Acosta.

Volvo Ocean

O barco Holanda 1 continua liderando a terceira etapa da Volvo Ocean Race, regata de volta ao mundo, enquanto o Brasil 1, de Torben Grael, está na quarta posição. A terceira perna da competição vai de Melbourne, na Austrália, a Wellington, na Nova Zelândia, com 1.450 milhas náuticas (2.687 quilômetros) de extensão.

O ABN 1 aumentou a liderança sobre a flotilha, especialmente em relação ao sueco Ericsson, último colocado. Para o comandante do ABN 1, Mike Sanderson, a tendência é que os barcos se agrupem cada vez mais, assim que os ventos enfraquecerem. ?Infelizmente, mais uma vez a flotilha não está tão distante de nós e a chegada em Wellington deve ser bastante disputada?, relatou Sanderson. Nas últimas 24 horas as posições continuam as mesmas, a não ser pelo Brasil 1, que ultrapassou o ABN 2 e assumiu o 4.º lugar. Os brasileiros estavam distantes 10 milhas náuticas às 2h (horário de Brasília), mas às 8h já haviam colocado 10 milhas à frente dos jovens tripulantes do ABN 2.

Os fortes ventos oeste-sudoeste, com 26 nós de intensidade (48 Km/h) favorecem o Holanda 1, que nas últimas horas seguiu um pouco para o sul para deixar para trás a embarcação espanhola Movistar. A diferença entre as duas embarcações agora é de uma hora (cerca de 25 milhas, 46 quilômetros).

Faltando apenas 354 milhas (655 quilômetros) para o fim da prova, tanto a embarcação de Torben Grael, que luxou o dedão da mão direita, como o americano Piratas do Caribe, seguem para o norte.