Rio – A péssima campanha dos cariocas e o poder de alguns jogadores conhecidos como “badboys” resultaram numa debandada inédita de técnicos do Rio, em menos de 24 horas. O do Fluminense, Ricardo Gomes, foi demitido na noite de domingo, após o empate do Tricolor com o Paysandu, no Maracanã. Ontem, Paulo César Gusmão, do Flamengo, entregou o cargo alegando ingerência da diretoria em seu trabalho e deixando a entender que havia incompatibilidade com o meia Felipe. Para completar, Mauro Galvão, do Botafogo, também decidiu sair, após uma conversa com o presidente do Alvinegro, Bebeto de Freitas.

Ricardo Gomes não resistiu à pressão pelos resultados adversos e pelo constante desgaste com Romário e Edmundo. Com relação ao primeiro, tentou enquadrá-lo mais de uma vez, exigindo que ele comparecesse mais ao clube e participasse dos treinos. Quis acabar com as regalias, até por causa da reação dos demais atletas, entre os quais Roger, que reclamavam do tratamento especial da diretoria do Fluminense a Romário. Inicialmente, o jogador se mostrou disposto a colaborar. Depois, voltou à rotina.