O Avaí é mais uma zebra a eliminar um dos favoritos ao título da Copa do Brasil. Nesta quinta-feira, a equipe de Florianópolis contou com um primeiro tempo apático do São Paulo, principalmente da zaga tricolor, virou para cima dos paulistas, venceu por 3 a 1 na Ressacada e se classificou às semifinais da competição pela primeira vez em sua história.

Na próxima fase, o Avaí vai pegar o Vasco, fazendo o primeiro jogo no Rio. Na decisão, encara o vencedor de Ceará x Coritiba. Desta forma, a atual edição da Copa do Brasil será finalizada sem nenhum confronto entre as consideradas grandes equipes da competição. Atlético-MG, Botafogo, Palmeiras, Flamengo e agora São Paulo foram caindo um a um, sempre perante adversários considerados mais fracos.

Depois de abrir 1 a 0 no jogo de ida, o São Paulo ainda ampliou a vantagem abrindo o placar na Ressacada. Sem Miranda, sua zaga teve dificuldades de posicionamento, o Avaí aproveitou bem e marcou os três gols necessários para a classificação.

SÓ PELO ALTO – Logo após o jogo do Morumbi, Carpegiani anunciou que Lucas e Fernandinho provavelmente voltariam à equipe em Santa Catarina, mas que o atacante começaria no banco. “Não tenho dúvidas”, garantiu o treinador na ocasião, alegando que dois jogadores voltando de lesão no mesmo time enfraqueceriam muito a marcação. O técnico mudou de ideia, mas seu prognóstico se confirmou na Ressacada.

De início, parecia que os dois voltariam voando. Com um minuto Lucas já fez fila na entrada da área do Avaí. Pouco depois, Fernandinho criou boa chance com um belo toque de calcanhar para Dagoberto. Mas ficou por aí a atuação dos dois em todo o primeiro tempo. O atacante até tentou algumas vezes sua tradicional jogada pela esquerda, mas sempre sem sucesso.

O Avaí também tinha um retorno importante: o de Marquinhos, que conseguiu horas antes do jogo um efeito suspensivo para aguardar o julgamento do recurso contra a suspensão de cinco partidas imposta pelo STJD. Bruno, pelo mesmo motivo, também pôde entrar em campo. Dos que foram punidos pela briga ao fim do jogo contra o Botafogo, só Rafael Coelho ficou de fora do duelo desta quinta-feira.

Com 15 minutos, o São Paulo abriu o placar. Dagoberto cobrou uma falta da direita, a zaga do Avaí deu bobeira e a bola chegou na cabeça de Casemiro, que nem precisou sair do chão para marcar, já na pequena área. O empate veio em seguida. Estrada recebeu na esquerda, onde deveria estar um lateral-direito que o São Paulo não tem, e cruzou com tranquilidade na cabeça de William, que cabeceou à frente de Alex Silva, no canto direito de Rogério Ceni.

Como tinha três jogadores no ataque, dois deles visivelmente fora de fora, o São Paulo abria um enorme buraco entre os volantes e o trio de frente, deixando espaço para o Avaí dominar o meio-campo e mandar no jogo. De tanto pressionar, os donos da casa viraram aos 30, e com os dois jogadores que foram liberados de suspensão.

Marquinhos cobrou escanteio da esquerda, Rogério e Carlinhos se confundiram e a bola sobrou para Bruno cabecear do meio da área. Rhodolfo teve a chance de tirar em cima da linha, esperou o mesmo de Xandão, nenhum dos dois cortou e o Avaí marcou. Com dois jogadores de 1,93m e outro de 1,92, a provavelmente mais alta defesa dentre os grandes do País, sofria o segundo gol pelo alto no jogo.

GOL RELÂMPAGO – Para corrigir a deficiência ofensiva, Carpegiani trocou Fernandinho por Marlos no intervalo. Nem deu tempo de a mudança ser sentida e o Avaí já fazia o terceiro. A zaga são-paulina mais uma vez foi apática, Diogo Orlando cruzou na área, Estrada tentou um voleio torto e acabou tocando sem querer para Marquinhos Gabriel, novamente sem marcação, ampliar.

Com cinco minutos, Carpegiani decidiu mudar taticamente o time. Tirou Xandão e colocou Henrique para ser terceiro atacante, com Jean e Juan virando laterais. E logo no lance seguinte o São Paulo desperdiçou chance incrível. Jean recebeu linda enfiada de bola de Marlos, ficou cara a cara com Renan e, cansado de perder gols, tentou o toque para Henrique. Não fez nem uma coisa nem outra e mandou para fora.

Precisando do resultado, o São Paulo partiu para a pressão, subindo quase sempre com os dois laterais ao mesmo tempo. Desde os 10 minutos a equipe já não tinha nenhuma organização tática, partindo para o abafa e abusando das tentativas de resolver em jogadas individuais. O Avaí, sempre bem fechado, saía em contra-ataque e encontrava seus homens de frente quase sempre no mano a mano com a defesa tricolor.

O São Paulo tentava de todos os jeitos. Aos 11, Henrique tentou com as costas e Renan fez ótima defesa. Jean arriscou de fora da área e acabou travado. Carlinhos Paraíba tentou também de longe, duas vezes, mas mandou ambas à direita. Mesmo apagado, Lucas criou boa oportunidade driblando pelo lado direito, porém cruzou em cima da zaga.

A melhor oportunidade, porém, acabou sendo do Avaí. Acleisson bateu falta com força e acertou a trave de Rogério Ceni.

FICHA TÉCNICA:

Avaí 3 x 1 São Paulo

São Paulo – Rogério Ceni; Alex Silva, Xandão (Henrique) e Rhodolfo; Jean, Casemiro, Carlinhos, Lucas e Juan; Fernandinho (Marlos e depois Willian) e Dagoberto. Técnico: Paulo César Carpegiani.

Avaí – Renan; Revson, Bruno e Gustavo Bastos; Diego Orlando, Marcinho Guerreiro, Estrada (Acleisson), Marquinhos (Maurício Alves) e Romano (Marquinhos Gabriel); William e Juninho. Técnico: Silas.

Gols – Casemiro, aos 15, William, aos 16, e Bruno, aos 30 minutos do primeiro tempo. Marquinhos Gabriel, aos 30 segundos do segundo tempo.

Árbitro – Márcio Chagas da Silva (RS).

Cartões amarelos – Diogo Orlando, Romano, Estrada, Rhodolfo e Juan.

Renda e Público – Não disponíveis.

Local – Estádio da Ressacada, em Florianópolis.

L