Lance Armstrong confessou que utilizou substâncias proibidas durante a sua carreira, mas, apesar da admissão, as autoridades esportivas querem saber mais. Presidente da Agência Mundial de Antidoping (Wada, na sigla em inglês), John Fahey, disse que o ciclista norte-americano precisa revelar detalhes e os nomes dos envolvidos no esquema de doping.

“Ele não citou nomes. Ele não disse quem lhe forneceu, quais autoridades estavam envolvidas”, disse. “Meu sentimento depois de ver a entrevista foi que ele indicou que provavelmente não teria sido pego se não tivesse voltado para o esporte”, acrescentou Fahey. “Se ele estava à procura de redenção, ele não teve sucesso em tentar obter isso”.

 

Depois de refutar acusações de que utilizou doping na conquista dos seus sete títulos da Volta da França, Armstrong admitiu nesta quinta-feira que usou EPO e testosterona, além de ter feito transfusões de sangue. No ano passado, ele perdeu todas as suas conquistas após a Agência Antidoping do Estados Unidos (USADA, na sigla em inglês) apresentar um relatório em que detalhou o seu esquema para utilização de substâncias proibidas.

 

“Deixou nós querendo mais. Temos que saber mais sobre o esquema”, disse Christian Prudhomme, diretor da Volta da França. “Ele não poderia ter feito sozinho. Nós temos que saber quem sua equipe o ajudou a fazer isso”.

 

Vice-presidente do COI, Thomas Bach disse que a admissão de Armstrong após anos de negativas não é suficiente para que ele volte a ter credibilidade. “Eu acho que isso é muito pouco, muito tarde”, disse Bach, um advogado alemão que lidera as investigações antidoping do COI. “É um primeiro passo no direção certa, mas não mais do que isso. Se ele realmente ama o esporte e quer recuperar pelo menos alguma credibilidade, então ele deve dizer toda a verdade e cooperar com as entidades esportivas relevantes”.

Chefe-executivo da USADA, Travis Tygart também cobrou mais detalhes de Armstrong. “Se ele for sincero em seu desejo de corrigir seus erros do passado, vai depor sob juramento sobre a extensão de suas atividades de doping”, afirmou.