O Comitê Olímpico da Áustria revelou nesta terça-feira que recebeu uma carta anônima, vinda da Rússia, cujo teor era o de ameaça de sequestro a dois atletas que defenderão o país na Olimpíada de Inverno de Sochi, cuja cerimônia de abertura acontecerá nesta sexta. Marlies Schild, estrela do esqui slalom austríaco, e Janine Flock, que competirá na prova do skeleton, foram os nomes citados como alvo dos supostos sequestradores.

Peter Mennel, presidente do Comitê Olímpico da Áustria, disse que a carta foi recebida na última segunda-feira. “Imediatamente alertamos a Agência Criminal Federal, que está investigando o caso”, afirmou o dirigente.

O líder austríaco ainda disse que conversou sobre a ameaça com Janine Flock enquanto viajavam de Viena até Sochi nesta terça. E Mennel garantiu que ela “não está preocupada e confia em nossas medidas de segurança”. Já Schild deverá viajar para a Rússia apenas na próxima semana.

A ameaça de sequestro foi divulgada nesta terça pelo jornal austríaco Kronen Zeitung e sua revelação aumenta ainda mais o clima de tensão que cerca esta edição dos Jogos de Inverno. Precavida contra as ameaças terroristas que pairam sobre o evento, a Rússia está montando um massiva operação de segurança, que contará com um efetivo de mais de 50 mil policiais e soldados.

Os organizadores temem possíveis ataques de insurgentes islâmicos da região do Cáucaso do Norte, assim como já surgiu a informação de que agentes de segurança russos estão à procura de três possíveis mulheres-bomba em Sochi.

Em meio a este cenário tenso, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, vem defendendo desde a semana passada a escolha da cidade de Sochi como sede dos Jogos de Inverno e garantiu confiar na segurança que será implementada no grandioso evento.