Em sua estreia na Diamond League, circuito de competições que reúne a elite do atletismo mundial, o brasileiro Augusto Dutra já conseguiu subir ao pódio. Na disputa da oitava das 14 etapas do calendário, nesta quinta-feira, em Lausanne, na Suíça, ele conquistou a medalha de prata na prova do salto com vara, ficando atrás apenas do grego Konstantinos Filippidis.

Até o começo deste ano, Augusto Dutra era quase um desconhecido até mesmo em nível nacional. Mas vem apresentando uma evolução impressionante, chegando ao recorde sul-americano do salto com vara, ao fazer 5,82 metros no dia 22 de junho. Agora, já em sua primeira vez numa etapa da Diamond League, o garoto de 22 anos encarou grandes nomes da prova e levou a prata.

Sexto colocado do ranking mundial na temporada, Augusto Dutra competiu em Lausanne contra todos que estão à sua frente, inclusive o campeão olímpico Renaud Lavillenie, francês que tem a melhor marca do ano com 5,95 metros. O brasileiro chegou ao pódio com 5,62 metros, dividindo a prata com o alemão Raphael Holzdeppe, que também fez 5,62 metros no mesmo número de tentativas.

Principal favorito, Renaud Lavillenie entrou na competição com o sarrafo a 5,62 metros, mas falhou em suas três tentativas, acabando a prova sem saltos válidos. Assim, abriu caminho para a vitória do grego Konstantinos Filippidis, que tem a quinta melhor marca da temporada (5,82 metros, junto com Augusto Dutra) e conquistou a medalha de ouro em Lausanne com 5,72 metros.

Outro brasileiro disputou a etapa de Lausanne nesta quinta-feira, mas não teve a mesma sorte de Augusto Dutra. Jonathan Henrique Silva fez 16,88 metros em sua sexta e última tentativa – queimou as quatro primeiras -, terminando a prova do salto triplo apenas na sexta colocação. A medalha de ouro foi para o cubano Pedro Pablo Pichardo, que venceu com 17,58 metros.

 

O principal destaque do dia, no entanto, foi a final dos 100 metros. Aproveitando a ausência do jamaicano Usain Bolt, bicampeão olímpico e recordista mundial da distância (9s58), o norte-americano Tyson Gay confirmou a boa forma e venceu a prova desta quinta-feira com 9s79, superando o também jamaicano Asafa Powell, que cravou 9s88 e ficou com a medalha de prata.

Tyson Gay já tem a melhor marca do ano nos 100 metros, com os 9s75 que conseguiu nas seletivas dos Estados Unidos, no dia 21 de junho. E mostrou novamente nesta quinta-feira que pode desafiar Bolt, o jamaicano Yohan Blake (atual campeão mundial da prova) e o norte-americano Justin Gatlin no Mundial de Atletismo, que acontecerá de 10 a 18 de agosto, em Moscou, na Rússia.