Campeão paranaense, vice-campeão da Primeira Liga e próximo de conquistar uma vaga na Libertadores do ano que vem. Uma das promessas de campanha do atual presidente do Atlético, Luiz Sallim Emed, que era fazer de 2016 o ano de futebol, vem sendo cumprida à risca. Uma vitória contra o Flamengo, domingo (4), às 17h, na Arena da Baixada, colocará o Furacão de volta na rota da competição internacional e o clube conseguirá atingir outro patamar somente no segundo ano de gestão do mandatário rubro-negro.

O Atlético, na verdade, dos times que estão lutando na parte de cima da classificação, é um dos que menos recebe verbas de televisão e que tem o menor investimento no futebol. Mesmo assim, mostrou um futebol competitivo e terá, segundo Emed, inúmeros ganhos se conseguir a vaga na Libertadores.

“Mesmo sem estar garantido, nós fizemos uma excelente campanha. Se verificar, dos quatro clubes que ficaram na nossa frente, nós é o que temos o menor investimento em folha (de pagamento). Então, isso já é um grande alento. Se a gente conseguir essa vaga será muito importante, pois a marca fica muito mais viável, conhecida, você tem um ganho econômico, consegue ter muito mais experiência para os atletas. Então, são muitos benefícios de você ter uma participação em campeonatos internacional. Tem uma série de aspectos muito importantes”, apontou ele.

Em busca dos 40 mil sócios, o Furacão, com a boa campanha realizada nesta temporada e, que se for contemplada com a conquista da vaga no torneio continental, poderá ver seu quadro associativo melhorar significativamente. O clube, dentro das suas possibilidades, seguirá investindo no departamento de futebol e o presidente atleticano prometeu um time a cada ano mais forte.

“Todos os outros clubes que estão na nossa frente, como Palmeiras, Flamengo, Atlético-MG, têm um investimento três e até quatro vezes mais do que nós investimos. Então, a qualidade é melhor, porque a gente conseguiu resultados muito semelhantes com um investimento menor. Então, as pessoas têm que saber que estamos investindo em futebol e está aí o resultado. Estamos investindo, mas você não consegue todas as coisas ao mesmo tempo. Estamos no caminho e eu sempre digo que a cada ano estaremos mais forte. Buscamos a mesma grande que o Atlético tem fora, ter dentro de campo também”, acrescentou Emed.

Além de lucrar com a sua provável participação na Libertadores e de ter um aumento da sua receita com bilheterias e associados, o Rubro-Negro terá uma exposição maior da sua marca e, assim, poderá encaminhar o acerto para vender o naming rights da Arena da Baixada. Este é um dos desafios do presidente, que neste primeiro ano de mandato, sobretudo pela crise financeira do país, encontrou muitas dificuldades para achar um investidor capaz de bancar o contrato para colocar seu nome ao estádio atleticano.