A reaproximação estratégica entre a diretoria e a torcida organizada Os Fanáticos para o bem maior do Atlético, que busca garantir uma vaga na Libertadores do ano que vem, transformou o clima na Arena da Baixada na vitória por 1×0 do Furacão conquistada diante do Cruzeiro, no último sábado (29), que devolveu o clube ao G6 do Campeonato Brasileiro. Com o material parcialmente liberado, a principal organizada do Rubro-Negro deixou de lado os protestos e apoiou incondicionalmente o time no importante resultado conquistado diante da Raposa.

O presidente do Atlético, Luiz Sallim Emed, em entrevista exclusiva à Tribuna, afirmou que o diálogo e essa reaproximação com a Os Fanáticos deve continuar nas próximas semanas. O cartola destacou ainda a importância dos dois jogos que o Furacão tem em casa ainda para fazer, contra Sport e Flamengo, para a conquista da vaga na Libertadores.

“Essa reaproximação se iniciou antes dessa reta final do campeonato, um pouco antes do jogo que foi na Vila Capanema (no Atletiba) e que culminou com esse jogo contra o Cruzeiro, nesse fim de semana. Então, essas ações vão continuar, temos mais dois jogos aqui no nosso campo e, então, essas atividades de reaproximação com a torcida de maneira geral devem continuar”, contou Emed.

Contra a Raposa, a diretoria liberou parcialmente a entrada de materiais da torcida (duas bandeiras e uma faixa), a volta da bateria, além de ter retirado as cadeiras do setor Buenos Aires inferior. Esse acerto, que selou a paz momentânea entre a facção e o clube, transformou o ambiente da Arena, deixando os jogadores ainda mais a vontade para cravar mais uma vitória em casa e provar a força do Furacão jogando no Joaquim Américo.

O presidente atleticano não escondeu a satisfação por contar novamente com o apoio irrestrito do torcedor. Segundo Emed, isso ajuda também os jogadores mais jovens que, antes, sofriam uma pressão maior nas partidas realizadas dentro de casa.

“Esse incentivo da torcida aos atletas é muito importante, porque traz mais confiança e traz um incentivo em especial aos atletas mais jovens, para que eles tenham uma confiança maior, sem jogar com aquela pressão que algumas vezes acaba ocorrendo. Então, o que ainda peço muito à torcida é que tem que ter paciência com os atletas para que eles possam desempenhar as atividades deles com muito mais tranquilidade. Em caso de erro, que eles não tenham aquela vaia imediata. O incentivo, em qualquer situação, é sempre bem-vindo”, acrescentou.

O Atlético, segundo o cartola, está buscando uma reaproximação maior também com os atleticanos de maneira geral. Por isso, ações especiais estão sendo desenvolvidas para estreitar o relacionamento entre clube e arquibancada.

“Outras ações fora de campo estão acontecendo, como as visitas dos sócios no centro de treinamento, para mostrar toda a grandeza do Atlético fora do campo. Então, é dessa maneira que a gente pode demonstrar que o caminho realmente é de ter uma forma de convivência harmônica com a torcida de forma geral”, arrematou Emed.

Se antes, sem essa paz selada entre torcida e diretoria o Furacão já fazia da Arena da Baixada sua principal arma no Brasileirão, a tendência agora é de o time se fortaleça ainda mais jogando dentro de casa. Com 86% de rendimento nos jogos realizados no Joaquim América, o time do técnico Paulo Autuori terá que fazer valer o mando de campo contra Sport e Flamengo para garantir a tão sonhada vaga na Libertadores.