O teto retrátil da Arena da Baixada está pronto. Mas a inauguração oficial não tem data para acontecer. Apesar dos testes do mecanismo de abertura e fechamento estarem acontecendo desde o início da semana, a entrega oficial deve acontecer apenas no final deste mês. E pra valer ninguém sabe.

A entrega, como todo o processo, será feita com atraso. Anteriormente ela havia sido programada pelo vice-presidente do Atlético, Luiz Salim Emed, para o dia 15 de março. Os engenheiros da empresa Lanik I.S.A., no entanto, adiaram para hoje. O atraso, no entanto, é considerado normal por pessoas ligadas ao processo.

Semana passada, as últimas “folhas” da cobertura, como se fossem as telhas do teto, foram colocadas sobre a enorme estrutura que cobre o campo. Já o processo de automação que comanda as “tampas do Caldeirão” foi concluído na segunda-feira, com o término das instalações elétricas.

Os engenheiros responsáveis pela automação do teto estão coordenando a fase final de testes. Agora é uma questão meramente protocolar, mas obrigatória até a entrega oficial da Lanik para o Atlético. “São testes de acionamento, de abrir e fechar. Aciona o sistema, para. Avança mais ou pouco e para”, disse um funcionário do clube que preferiu não se identificar.

Até o final da próxima semana a entrega dos documentos de liberação por parte da Lanik deve ser feita. Aí caberá ao Atlético a inauguração do sistema propriamente dito.

Em fevereiro, o presidente Mário Celso Petraglia afirmou que não há pressa em inaugurar o teto. No próximo dia 26 o clube completa 91 anos, enquanto a cidade de Curitiba completa 322 no dia 29. Datas comemorativas, mas que não atraem o mandatário atleticano.

“Não será no aniversário e nem poderia ser. Não faremos a inauguração do estádio em um jogo. Já fizemos isso na Copa do Mundo. Faremos um grande show para inaugurar o nosso teto”, disse. Mas um grande show demanda tempo e planejamento. “Temos vários shows em vista. Mas é um projeto para seis, oito meses para programar, contratar e vender”, disse, na mesma entrevista.

Lógia Suicida! Veja mais na coluna do Augusto Mafuz!