Após uma semana de retiro,
o Furacão saiu da toca para
por fim a um tabu que já incomodava.

Finalmente! Após quase 11 meses e 15 jogos disputados longe da Arena, o Atlético conseguiu uma vitória sem pijama no campeonato brasileiro. E com tintas de vingança e show de Alex Mineiro, que voltou a ser o herói rubro-negro. Após perder por 2 a 1 para o Galo em casa no primeiro turno, o Furacão foi até Belo Horizonte no sábado e deu o troco na mesma moeda, quer dizer, mesmo placar. Com o resultado, o time do técnico Mário Sérgio voltou a subir na classificação e tem dois jogos em casa (Figueirense e Fortaleza) para embalar de vez na competição.

A quebra do tabu mostra que a troca de comando técnico e o retiro espiritual, técnico e físico feito em Canela foi benéfico para o time. A velha disposição e a raça exigidas pela torcida está novamente fazendo a diferença enquanto o treinador tenta dar um padrão técnico e tático para o time, que mesmo assim já vem melhorando. Foi assim contra o Paraná Clube e Grêmio e voltou a se repetir contra o xará mineiro.

Apesar de o time ter dado espaço para o Galo no início do jogo, o que obrigou os zagueiros e se desdobrarem e obrigou Diego a fazer importantes defesas, Mário Sérgio conseguiu corrigir os erros e atuar nos buracos deixados pelo adversário. O que era um aparente sufoco virou arma com o atacante Ilan vindo para buscar bolas e armar contra-ataques nas costas dos mineiros. Mas, foi um mineiro vestido de rubro-negro quem deu o show.

Depois de perder boas chances, a sorte virou e o herói voltou a brilhar. O lateral-esquerdo Ivan armou um bom ataque com Ilan até a bola chegar a Alex Mineiro tocar forte no canto de Velloso. Estava aberto o caminho para vencer a primeira fora após 25 de setembro de 2002 (Fluminense 0 x 1 Atlético, no Maracanã). O Galo nem respirou e lá estava o herói para ampliar. Desta vez, foi o lateral-direito Alessandro quem carregou a bola e tocou para Alex entrar na área e chutar na saída de Velloso. O goleiro conseguiu interceptar, mas na sobra, o artilheiro chutou cruzado em cima de Michel, que entrou com bola e tudo.

Na virada de campo, os mineiros esboçaram uma reação e logo de cara, o árbitro Wílson Luís Seneme resolveu aparecer e inventar um pênalti para os donos da casa. Luciano Santos ganhou uma dividida de Tucho, que caiu na área. Apesar da adversidade, o Rubro-Negro não tinha só uma estrela brilhando. O goleiro Diego também mostrou porque está cotado para a seleção brasileira e defendeu a cobrança do próprio Tucho.

O erro deixou o técnico Marcelo Oliveira no desespero e, aos poucos, foi enchendo o time de atacantes. Tinha dois e colocou mais Paulinho e Alex Alves. O Furacão sentiu a pressão e recuou, dando chance para a meta de Diego ser atingida. Próximo do final, Cicinho foi à linha de fundo e cruzou para Alex Alves fuzilar o gol rubro-negro. Nos últimos minutos, Mário Sérgio pediu para o time segurar mais a bola e garantir o resultado.

Alex e Diego, os novos heróis

Só falta vestir uma capa e sair voando por aí. Assim são o atacante Alex Mineiro e o goleiro Diego jogando com a camisa rubro-negra. Após passar uma temporada no Tigres, do México, o herói da conquista do Brasileirão de 2001 está definitivamente de volta à velha forma. Depois de reestrear contra o Vasco da Gama e fazer boas apresentações diante do Paraná Clube e Grêmio, ele mostrou, no sábado, o que ainda pode fazer pelo Atlético: gols. Já o arqueiro tem fechado a sua meta e nem pênalti é garantia de que o adversário irá furar seu bloqueio.

“Fico feliz em poder ajudar o time e marcar em momentos importantes. O time precisava dessa vitória e acho que agora só tende a crescer o nosso futebol”, disse Alex Mineiro. Para o jogador, o mais importante é que o grupo está assimilando bem os pedidos do técnico Mário Sérgio e sabendo da necessidade de jogar boas partidas. “Não é só eu, mas o time inteiro. O grupo provou que é bom e ainda vamos dar muitas alegrias à nossa torcida”, apontou o artilheiro.

Quem também mostrou estrela, que cada vez brilha mais, foi o goleiro Diego. Destaque nas últimas partidas, o arqueiro atleticano cada vez mais passa a ser uma peça fundamental nos jogos de sua equipe. Contra o Galo, ele pegou mais um pênalti e garantiu a vitória for de casa. Já são três somente neste campeonato brasileiro. Contra o Grêmio e Paraná Clube ele também defendeu, além de ter tido sorte de o adversário não marcar a penalidade em jogos de sua equipe contra o próprio Galo e contra o Corinthians, quando os batedores chutaram para fora ou na trave. “Fui muito feliz contra o Atlético Mineiro. Estive bem na cobrança do pênalti do Tucho, que bateu muito forte. Ainda peguei outras bolas complicadas e consegui garantir os três pontos para nós”, vibrou, que agora passa a pensar também na camisa amarela. “O time está se recuperando e sei que ficarei mais perto do meu objetivo.”

Já o técnico Mário Sérgio acredita que o Atlético ainda precisa melhorar a marcação, “pois vencíamos por dois a zero e deixamos o adversário atacar, tanto que acabou conseguindo diminuir o placar”, ponderou. Para ele, o time ainda falha muito e está abaixo da condição física desejada. “Taticamente o time cometeu alguns erros no final porque já estava desgastado. Porém, enquanto tinha pernas, o time foi perfeito. Eu saquei os jogadores porque estava prevendo que iam pecar na parte física”, finalizou.