Júlio César
Evandro comemora com Ferreira
o primeiro gol do Furacão.

O Atlético jogou para o gasto e venceu fácil a Ponte Preta por 2 a 0, ontem, no Moisés Lucarelli. Apesar dos vários desfalques, o time comandado pelo técnico Antônio Lopes mostrou um ótimo domínio de jogo e não deu chances para a Macaca se recuperar no Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o Rubro-Negro mantém a 15.ª posição e continua subindo na classificação da competição.

O próximo compromisso do Furacão será o Juventude, às 16h de sábado, na Arena da Baixada.

Como já era esperado, o fato de a Macaca não atravessar um bom momento não significava jogo fácil. Mesmo assim, acabou sendo uma partida mole para o Atlético. Time por time, o Rubro-Negro é muito melhor e apesar do bom início do time da casa, com duas boas chegadas do lateral-esquerdo Bruno, foi a equipe da Baixada quem dominou a partida.

Nem precisava muito, aliás.

Se Antônio Lopes teve que conviver com vários desfalques, Nenê Santana precisou juntar os cacos para colocar 11 em campo.

Melhor para o Furacão, que não tinha Fabrício, Marcão e Jancarlos, mas tinha Lima, Ferreira e Ticão. O time tocou a bola no meio e chegou com facilidade à área adversária.

Só faltou ser mais objetivo no primeiro tempo. Se tivesse mais ambição, poderia ter ampliado. No entanto, mostrou o oportunismo de Ferreira. Ele foi lançado, passou por Luís Carlos e chutou na saída de Lauro.

O goleiro ponte-pretano deixou a bola passar por debaixo de seu corpo.

Na segunda etapa, o Atlético foi novamente para frente e ampliou. O atacante Lima entrou na partida e começou a dar as cartas ao lado de Ferreira. Foi dos pés dele que saiu o segundo. O grandalhão passou por quatro, passou para Ferreira, que deixou Finazzi na cara do gol. O artilheiro mirou o canto e acertou. Perdendo de dois, a Ponte partiu para cima, mas chegou muito pouco.

No melhor momento, Evandro chutou para Diego rebater. Na sobra, Bruno isolou e desperdiçou a melhor chance da partida. Melhor para o time da Baixada. Vendo Finazzi sentindo cansaço pelo esforço, Lopes promoveu a volta do atacante Dênis Marques após 120 dias de suspensão imposta pela Fifa. Sem ritmo de jogo, ele participou pouco e errou as chances que teve. O placar só não foi maior porque Marín chegou na cara do gol para fazer o terceiro, mas chutou de forma bisonha para a lateral do campo.

Evandro fora por dois jogos

Graças a um vacilo do Atlético, o meia Evandro terá que cumprir dois jogos seguidos de suspensão.

Sem advogado presente ao julgamento de ontem no STJD, o jogador foi penalizado com duas partidas (uma já cumprida) pela expulsão contra o Cruzeiro. Ontem, contra a Ponte Preta, ele tomou o terceiro cartão amarelo e não atua contra Juventude e Santos, os próximos compromissos do Rubro-Negro no Campeonato Brasileiro.

Denunciado no artigo 250 do CBJD (ato desleal) e que previa pena de uma a três partidas, o jogador acabou sendo enquadrado no artigo 254 (jogada violenta), com penas entre dois e seis jogos. Julgado à revelia, pegou dois jogos de gancho, sendo que um já foi cumprido na automática. Como ele também levou o terceiro amarelo, Evandro só volta ao time na partida contra o Corinthians, dia 11 de setembro.

Amanhã, vão para o banco dos réus o ala-esquerdo Marcão e o meia Ferreira, que serão julgados pela expulsão na partida contra o São Caetano.

Hoje, a direção atleticana deverá se pronunciar sobre essa situação.

Trabalho

À tarde, o técnico Antônio Lopes já começa a moldar a equipe para a partida de sábado contra os gaúchos. Sem Evandro, ele ainda pode ficar sem Marcão e Ferreira. No entanto, poderá contar com a volta de Aloísio, André Rocha e Jancarlos. O primeiro está se recuperando de uma lesão enquanto os outros dois retornam de suspensão automática.

Camisas a vintão e trintão

Para combater a pirataria, o Atlético licenciou alguns modelos de camisetas com os símbolos do clube e semelhantes aos produtos falsificados vendidos pelos ambulantes em dias de jogos.

O objetivo da medida é dar mais opções aos torcedores, que podem, a partir de agora, ostentar um artigo oficial do clube mais em conta em relação ao uniforme de jogo. Quem tem os direitos de comercializar os produtos é a empresa Sublipar. Custarão entre R$ 20,00 e R$ 30,00.

Em princípio, serão três tipos de camisetas colocadas à disposição dos rubro-negros: copa, degradê e hino. Estas versões contêm um selo holográfico e uma etiqueta personalizada para comprovar a autenticidade do produto. Outro cuidado tomado pelo clube e pela empresa é de dar aos comerciantes e ambulantes autorizados material indicativo de venda de camisetas oficiais.

Para Mauro Holzmann, diretor de marketing, dessa maneira não há mais desculpas para a torcida adquirir produtos pirata do clube.

?É uma iniciativa que pode ajudar muito no combate à pirataria, mas estamos apenas começando?, aponta. Da mesma forma que os piratas atuavam em dias de jogos, os produtos oficiais também estarão à disposição da torcida ao redor da Arena nos dias de jogos, sendo vendidos por pessoas autori-zadas.

CAMPEONATO BRASILEIRO
22.ª Rodada
Local: Moisés Lucarelli (Campinas)
Árbitro: Djalma José Beltrami Filho (RJ)
Assistentes: Beival do Nascimento Souza (RJ) e Carlos Henrique Alves de Lima (RJ)
Gol: Ferreira aos 20 do 1.º tempo; Finazzi aos 10
Cartão amarelo: Evandro, Gileno

Ponte Preta 0 x 2 Atlético

Ponte Preta
Lauro; Luciano Baiano, Galeano, Luís Carlos e Bruno; Ângelo (André Silva), Carlinhos, Éverton e Luciano Santos (Gileno); Evando e Izaías (Vandinho). Técnico: Nenê Santana

Atlético
Diego; Ticão, Danilo, Paulo André e Marín; Douglas, Alan Bahia, Ferreira (Caetano) e Evandro (Marcus Winícius); Lima e Finazzi (Dênis Marques). Técnico: Antônio Lopes