O Atlético tinha tudo para vencer o Boa Esporte Clube, em jogo válido pela Segundona do Campeonato Brasileiro. Dominou o primeiro tempo, saiu na frente e sobrava em campo. Só que veio o segundo tempo e, com ele, um fator que vem se tornando comum no rubro-negro. O time cai vertiginosamente de produção e passa a tomar sufoco dos adversários. O Boa explorou esta fraqueza e, mesmo com um time limitadíssimo, conseguiu a virada do jogo e sua primeira vitória pela Série B.

A partida começou de forma tímida. As duas equipes criaram quase nada nos primeiros 10 minutos de jogos e maltratavam a bola. Somente a partir dos 14 minutos que a coisa deu uma melhorada. Alan Bahia, em uma cobrança de falta, obrigou o veterano goleiro Max (ex-Botafogo) a fazer uma boa intervenção. Vendo que poderia conseguir um resultado melhor que o empate, o Atlético passou a mandar no jogo e, mesmo criando pouco, conseguia ser mais perigoso que os mineiros.

A pressão rubro-negra deu certa. Aos 32 minutos, Bruno Mineiro subiu mais que a zaga do Boa e deu uma cabeceçada certeira no canto de Max, abrindo o placar. Com mais volume de jogo e com o placar favorável, o time paranaense fazia uma boa partida e não havia indícios de que iria sair de Varginha sem os três pontos na bagagem.

Virada à mineira

Veio o segundo tempo, mas parece que o futebol do rubro-negro ficou nos vestiários. Jogando de forma absurdamente recuada, diante de um adversário que pouco incomodou na primeira etapa, o Atlético viu o Boa passar a gostar da partida e a começar a levar perigo para a meta de Rodolfo.

Não demorou muito e veio o empate do Boa. Aos 11 minutos, Jajá aproveitou o vacilo da zaga, que marcou em linha, invadiu a área e bateu por debaixo das pernas de Rodolfo.

O gol não fez o Atlético acordar, mas fez o Boa crescer ainda mais no jogo. O time mineiro passou a fazer diversas blitze na meta de Rodolfo, que hora fazia boas defesas e hora contava com a falta de qualidade do ataque mineiro.

Aos 38 minutos, o lance que mudou o rumo da partida. O técnico do Boa, Sidney Moraes, promoveu a entrada do meia Francismar. Alguns segundos depois, o mesmo Francismar aproveitou o rebote de Rodolfo de um chute de Vanger e virou o jogo para os mineiros. Festa da torcida local.

Entretanto, dois minutos depois, Edigar Junio cavou uma penalidade máxima. O árbitro foi na dele e marcou o pênalti. Só esqueceram de avisar ao Alan Bahia como é que se bate uma penalidade. O volante bateu fraco, no meio do gol, facilitando a defesa de Max, desperdiçando uma ótima oportunidade de, ao menos, sair de Minas com um ponto na bagagem.

Após o apito final, os jogadores do Boa vibraram bastante. Rodolfo, visivelmente abatido, disse que se o time quiser sair da Segundona, terá que jogar muito mais do que isso.

O próximo jogo do Atlético será dia 1.° de junho, contra o Barueri. A partida está marcada para a Vila Capanema, mas devido a um imbróglio, pode ser que ela seja marcada para outro lugar.