Foto: Valquir Aureliano/Tribuna

O lateral-direito Jancarlos
é o recordista em expulsões: três vezes.

Um número mostra com clareza a instabilidade técnica e emocional do Atlético neste Brasileirão. Em mais de um terço das rodadas, o time terminou os jogos com dez jogadores em campo. Foram seis expulsões em 16 partidas. Apenas o lateral Jancarlos recebeu cartão vermelho três vezes – contra Corinthinas (2 a 1), São Caetano (2 a 1) e Fluminense (2 a 1).

Na última partida (Grêmio 2 a 0), quem deixou o campo mais cedo foi Dagoberto, excluído por reclamação. E o atacante nem tinha levado cartão amarelo. Além dele e Jancarlos, os zagueiros Alex – contra o Vasco (2 a 1) e Paulo André -diante do Internacional (2 a 1), que já foi embora do clube, também foram punidos com cartão vermelho. Nos seis jogos o Atlético perdeu dos seus adversários.

O número preocupa os jogadores e o técnico Vadão. ?Se todo o jogo a gente tiver jogador expulso, vai ficar ainda mais difícil sair dessa situação. O primeiro passo é acabar as partidas com os 11 jogadores em campo?, diz o zagueiro Danilo.

Para o capitão rubro-negro, a pressão sofrida pelos atletas devido à má campanha do Furacão está deixando o time nervoso.

?O Atlético é um clube de massa, a torcida cobra bastante. Então quando a fase está ruim, os jogadores ficam muito pressionados?, acredita.

Já o goleiro Cléber acha que o problema é mais técnico do que psicológico. ?É sinal de que nossa equipe não está chegando junto.

Está sempre atrasada. Temos que chegar um pouco mais forte, mas também mais na bola. O que preocupa é que jogador que é expulso sempre fica marcado pelos juízes?.

Para o técnico Vadão,tanto Cléber quanto Danilo têm razão. ?Tem o aspecto emocional e também uma falta de entrosamento. Quando o time está desentrosado, acaba fazendo mais faltas que o necessário, para matar as jogadas?, diz o comandante, sem deixar de lado as críticas à arbitragem.

?Às vezes, as pessoas olham só a estatística. Temos que ver como aconteceram essas expulsões. O Jancarlos foi expulso e o jogador do Corinthians não. O Dagoberto falou uma palavra que é comum dentro do futebol e foi expulso?, alerta Vadão.

Mais um jogador no tapetão

Os problemas extra campo continuam atrapalhando o ambiente no Atlético. O atacante Cléo, que está no clube desde o início do ano passado, está suspenso pela Fifa e não pode defender o Furacão no Campeonato Brasileiro. Nenhuma notícia sobre a suspensão do atacante foi divulgada pelo Atlético. Quem revelou a situação foi o próprio jogador, que segue treinando separado do grupo principal.

O clube português Olivais e Moscavide, que Cléo defendeu antes de se transferir para a Baixada, acionou o jogador na Fifa, que em julho suspendeu o atleta por quatro meses. ?Quando voltei para o Brasil, ainda tinha mais dez meses de contrato. Mas não consegui regularizar meu visto para retornar e assinei com o Atlético?, explica o atacante.

Agora, Cléo negocia com os portugueses para retornar à Europa. ?Estou conversando para ver se volto para cumprir os dez meses de contrato. Estamos negociando os salários para que possa voltar a jogar logo. No Atlético, só no ano que vem?, revela.

Cléo participou da campanha do vice-campeonato rubro-negro na Libertadores 2005. Ele participou de três jogos e marcou um gol na competição. Também atuou no Brasileirão do ano passado e no Paranaense 2006. Seu último jogo foi no empate (2 a 2) com o Iraty, em fevereiro, ainda sob o comando de Lothar Matthäus. A diretoria do Atlético diz que só se pronunciará sobre o assunto através do site oficial do clube. Até ontem, nenhuma informação havia sido divulgada.